Guedes defende compra de vacinas contra Covid-19 por empresas privadas

Um grupo de empresários em Minas comprou e já se vacinaram por lá. Por enquanto isso é ilegal, mas podemos tornar legal", disse o ministro

atualizado 25/03/2021 16:44

Ministro guedes no congresso nacional para a agenda da reforma administrativaIgo Estrela/Metrópoles

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu em audiência pública no Senado nesta quinta-feira (25/3) que  empresários possam adquirir vacinas contra a Covid-19. Por enquanto, a compra do imunizante pelo setor privado só pode ocorrer se todas as doses forem doadas ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Assim, eles contribuem com a vacinação de grupos prioritários, adiantando o processo até que as empresas possam imunizar seus colaboradores.

O setor privado pressiona para que essa regra mude. Porém, Guedes não deu detalhes de quando ou como isso poderia acontecer. “Nossos empresários têm capacidade de ir lá fora e comprar sobras de vacina”, afirmou o ministro na audiência.

Nessa quarta-feira (24/3), um grupo de políticos e empresários, a maioria ligada ao setor de transporte de Minas Gerais, e seus familiares tomaram, nessa terça-feira (23/3), a primeira das duas doses da vacina da Pfizer contra a Covid-19, em Belo Horizonte de forma ilegal.

0

O ministro chegou a comentar o episódio. “Um grupo de empresários em Minas compraram e já se vacinaram por lá, por enquanto isso é ilegal, mas podemos tornar legal”, disse. “Isso seria criticado, porque iam falar que só os ricos conseguem comprar vacina”, complementou.

Pressionado pelos senadores, Guedes afirmou que a aceleração do programa de vacinação está cada vez mais próxima e disse que, com 1 milhão de vacinas por dia, como promete o Ministério da Saúde, todos os idosos estarão vacinados em um mês.

Últimas notícias