*
 

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, disse que o efeito da greve dos caminhoneiros no crescimento do país é temporário e que a economia voltou a funcionar com o restabelecimento do transporte. Em entrevista à Rádio Bandeirantes, o ministro disse que a economia voltou a crescer e que a média dos analistas está prevendo alta de 2%.

“Vamos discutir qual é a perspectiva de crescimento para esse ano. Não estou querendo dizer que estamos em situação de grande crescimento, mas estamos retomando”, afirmou Guardia.

O magistrado não citou na entrevista a previsão de crescimento oficial do governo, de 2,5%.

Guardia criticou a falta de competição nas refinarias. “É um caminho que o Brasil precisa percorrer para ter um mercado mais competitivo e eficiente”, completou. Ele disse ainda que os consumidores devem procurar abastecer em postos com preços mais baixos. “Não há motivo em situação normal para gasolina estar em preço mais alto”, afirmou.

O ministro citou também a necessidade de aprovação de projetos no Congresso Nacional para aumentar a eficiência da economia e acrescentou que a aprovação da privatização de distribuidoras de energia elétrica é “extremamente relevante” e precisa avançar.

Ele reforçou que é necessário solucionar o questão fiscal do país para retomar o crescimento sustentável. “Para o Brasil conseguir atravessar momentos de dificuldades, precisamos aprofundar reformas estruturais”, avaliou, citando como prioridade a reforma da Previdência, seguida pelas Tributária e Política. O ministro disse ainda que todos os desvios devem ser combatidos, como corrupção e evasão fiscal.

Política monetária
O ministro da Fazenda disse que a alta do dólar não deverá ter reflexo na política monetária do país. “O Banco Central comunicou de maneira muito clara ontem que a política de juros está relacionada ao controle da inflação. A inflação no Brasil está sob controle e isso é fundamental para definir a política de juros”, afirmou, citando o IPCA de maio divulgado nesta sexta, que ficou em 2,86% no acumulado em 12 meses, abaixo do centro da meta do ano.

Guardia comentou a queda do dólar registrada nesta sexta-feira e disse que o mercado reage às medidas anunciadas na quinta pelo presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, para conter a desvalorização excessiva, quando anunciou aumento nos swaps até a próxima semana.

“O câmbio é flutuante, hoje já estamos vendo o dólar voltando. O governo trabalha em ação coordenada entre o Tesouro e a Fazenda para suavizar esses momentos atuando no mercado de câmbio e de juros”, completou o ministro.

Cenário externo
Guardia ressaltou que o cenário externo é desafiador e que a tendência de elevação dos juros nos Estados Unidos fez o dólar subir em relação a todas as moedas, mas que os países emergentes sentem mais.

Além disso, o ministro citou o acirramento de práticas protecionistas, que disse impactar o crescimento mundial e do Brasil.

 

 

COMENTE

brasileconomiaMinistro da FazendaEduardo Guardia
comunicar erro à redação

Leia mais: Economia