metropoles.com

FGTS: saque-aniversário deve ser suspenso até março, diz Marinho

Luiz Marinho, ministro do Trabalho, disse que modalidade criada na gestão Bolsonaro cria distorção e que há reclamação de trabalhadores

atualizado

Compartilhar notícia

Fábio Vieira/Metrópoles
Luiz Marinho, presidente estadual do PT-SP
1 de 1 Luiz Marinho, presidente estadual do PT-SP - Foto: Fábio Vieira/Metrópoles

Luiz Marinho, ministro do Trabalho, afirmou que o Conselho Curador do FGTS não vai mais permitir o saque-aniversário do benefício, modalidade criada durante o governo de Jair Bolsonaro (PL). A previsão é de que o veto de novos pedidos de saque sejam feitos a partir de março. A declaração foi dada em entrevista à Globonews nesta terça-feira (24/1).

A reunião do conselho curador deverá ocorrer em 21 de março. “Devermos acabar com esse formato de saque-aniversário. Os contratos que existem, não vamos criar distorção”, declarou o ministro do Trabalho.

De acordo com o ministro, há reclamação por parte dos trabalhadores de que a adesão do saque-aniversário faz com que os valores fiquem retidos por dois anos em caso de demissão do emprego.

Marinho afirmou que a modalidade, além de prejudicar diretamente o trabalhador, enfraquece o fundo de investimentos para gerar emprego. O FGTS serve para garantir empréstimos para projetos de infraestrutura, como a construção da casa própria.

Em 5 de janeiro deste ano, o ministro havia se pronunciado sobre o saque-aniversário, afirmando que a modalidade seria “objeto de ampla discussão com o Conselho Curador do FGTS e as centrais sindicais. “A nossa preocupação é com a proteção dos trabalhadores e trabalhadoras em caso de demissão e com a preservação da sua poupança”, afirmou em sua rede social.

Saque-aniversário

De acordo com o site da Caixa Econômica Federal, o saque-aniversário é uma sistemática opcional na qual, anualmente, no mês do aniversário do trabalhador, é possível sacar parte do saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Caso o trabalhador seja demitido, poderá sacar apenas o valor referente à multa rescisória, e não poderá sacar o valor integral da conta.

“Caso o trabalhador seja demitido no período de um ano após o saque, fará jus somente à multa rescisória, ficando o saldo remanescente disponível na conta do FGTS para movimentação somente nos casos previstos em lei”, informa a Caixa.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?