Copom eleva Selic para 13,75% ao ano, maior patamar desde 2017

O aumento desta quarta (3/8) é o 12º consecutivo. A mudança na taxa básica de juros é o principal instrumento para enfrentar a inflação

atualizado 04/08/2022 11:57

Prédio do Banco Central no Setor de Autarquias Sul - Brasília - DF 04/11/2015 Daniel Ferreira/Metrópoles

O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu, por unanimidade, aumentar a Selic, taxa básica de juros do país, de 13,25% para 13,75% ao ano – alta de 0,5 ponto percentual. A informação foi anunciada pelo Banco Central no início da noite desta quarta-feira (3/8).

Este é o 12º acréscimo consecutivo desde março do ano passado. Com a decisão, a Selic alcançou o maior nível desde janeiro de 2017, quando estava em 13%.

A estratégia é o principal instrumento do Banco Central para enfrentar a inflação e conter as consecutivas altas de preços. Ela é a ferramenta de política monetária do BC para estabilizar a moeda e manter a inflação dentro da meta do governo. Além disso, norteia todas as operações da economia brasileira que envolvem juros, como empréstimos, aplicações financeiras e financiamentos.

Tanto que, no relatório, o comitê cita a inflação como um dos componentes para justificar a subida dos juros. E enumera outros: “O ambiente externo mantém-se adverso e volátil, com maiores revisões negativas para o crescimento global em um ambiente inflacionário ainda pressionado. O processo de normalização da política monetária nos países avançados tem se acelerado, impactando o cenário prospectivo e elevando a volatilidade dos ativos”.

“Assim, o Comitê optou neste momento por dar ênfase à inflação acumulada em 12 meses no primeiro trimestre de 2024, que reflete o horizonte relevante, suaviza os efeitos diretos decorrentes das mudanças tributárias, mas incorpora seus impactos secundários sobre as projeções de inflação relevantes para a decisão de política monetária”, conclui o relatório.

O que muda com a alta da Selic?

  • Empréstimos ficam mais caros;
  • Queda no consumo da população;
  • O Produto Interno Bruto (PIB) e os saldos de emprego e de renda também são impactados negativamente.

O Banco Central já elevou a taxa de juros 12 vezes desde março do ano passado, quando estava no menor patamar histórico, de 2%.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
0

Mais lidas
Últimas notícias