Concentração de renda no Brasil é a 2ª maior do mundo, diz ONU

Parcela dos 1% mais ricos fica com 28,3% da renda, de acordo com o Relatório de Desenvolvimento Humano da Organização das Nações Unidas

atualizado 09/12/2019 22:39

Agência estado

O Brasil tem a segunda maior concentração de renda do mundo, de acordo com o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH) da Organização das Nações Unidas (ONU), divulgado nesta segunda-feira (09/12/2019).

Em números, os 1% mais ricos concentram 28,3% dos rendimentos totais do país. Isso significa que quase um terço da renda do Brasil está nas mãos dos mais ricos. Nesse aspecto, o Brasil está atrás apenas do Catar, onde a proporção é de 29%.

Em terceiro lugar está o Chile, com 23,7% de concentração da renda total nas mãos dos mais ricos do país, seguido de Turquia e Líbano (ambos com 23,4%).

Estados Unidos e Rússia ocupam o 10º e o 11º lugares, respectivamente, com 20,2% da renda total nas mãos da parcela 1% mais rica da população.

BRICS
Comparando a concentração de renda dos países do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o Brasil lidera o ranking.

A Índia aparece em oitavo lugar, concentrando 21,3% da renda total nas mãos da parcela 1% mais rica do país. Na sequência estão Rússia (20,2%), em 11º lugar, e África do Sul (19,2%), em 16º lugar.

A China aparece como o país com menor concentração de renda, com 13,9%.

A ONU considera dados dos países aos quais tem informações disponíveis no período de 2010 e 2017. Para chegar ao conceito de desigualdade social, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), considera uma série de índices, não apenas a distribuição de renda.

Últimas notícias