“CEF foi alvo de saques”, diz Guedes na posse do presidente do banco

Cerimônia de posse foi realizada no Palácio do Planalto, com a presença do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes

Rafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 07/01/2019 11:59

Em cerimônia no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) deu posse aos novos presidentes dos principais bancos públicos do país. O chefe do Executivo federal oficializou as trocas dos comandos da Caixa Econômica Federal, do Banco do Brasil e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Na cerimônia, o ministro da Economia, Paulo Guedes, a quem os presidentes dos bancos estatais irão responder, disparou contra as administrações anteriores das instituições financeiras.

“A Caixa Econômica Federal foi alvo de saques nos últimos anos, como será comprovado em breve”, disse Guedes sobre o plano de Bolsonaro de abrir as caixas-pretas dos bancos públicos.

Na CEF, assume Pedro Guimarães. Ele tem cerca de 20 anos de atuação no mercado financeiro e é considerado um especialista em privatizações. Sua tese de doutorado, inclusive, foi sobre o assunto.

Já no Banco do Brasil, o novo presidente será Rubem Novaes, que substitui Marcelo Labuto. Ele é professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Atuou também como diretor do BNDES. Novaes e Paulo Guedes, ministro da Economia, têm formação acadêmica e profissional parecidas, com passagens pela Universidade de Chicago (EUA).

Ao fazer uma defesa de mudanças na forma de administrar os bancos, Guedes destacou o papel que ele acredita ser fundamental para as próximas administrações. “As instituições financeiras são como lubrificantes para o crescimento econômico, pois precisamos de crédito”, disse o ministro da Economia.

Nomeações
O Diário Oficial da União publicou, em edição extra na última quarta-feira (2/1), a nomeação de Rubem Novaes como novo presidente do Banco do Brasil e de Pedro Guimarães, da Caixa Econômica Federal.

Joaquim Levy, que assumiu a presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) atuava como diretor financeiro do Banco Mundial, em Washington, desde o início de 2016.

Os presidentes anteriores dos bancos públicos foram Marcelo Augusto Dutra Labuto, à frente do Banco do Brasil desde novembro de 2018, quando o então presidente, Paulo Cafarelli, pediu a demissão; e Nelson Antonio de Souza, que dirigia a Caixa desde abril. O ex-ministro do Planejamento Dyogo Oliveira estava à frente do BNDES desde abril.

Conheça o perfil dos executivos
Rubem Novaes, do Banco do Brasil: PhD em economia pela Universidade de Chicago (Estados Unidos), já foi diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e professor da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Pedro Guimarães, da Caixa: PhD em economia pela Universidade de Rochester (Estados Unidos), seu trabalho analisou os processos de privatização no Brasil. É sócio-diretor do banco Brasil Plural, grupo financeiro fundado em 2009 que atua no mercado de capitais.

Joaquim Levy, do BNDES: PhD em economia pela Universidade de Chicago (Estados Unidos), já foi ministro da Fazenda no governo de Dilma Rousseff (PT), foi diretor do Banco Mundial.

Últimas notícias