Doria diz que SP não vai embarcar na vacina da Rússia: “Não faz sentido”

O governador reforçou que o estado já possui parceria com o laboratório chinês Sinovac e que não há motivo para outra alternativa

atualizado 11/08/2020 13:30

Gabriela Bilo/Estadão

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou, em entrevista à Rádio Bandeirantes, nesta terça-feira (11/8), que o Instituto Butantan não produzirá a vacina registrada pelo governo da Rússia.

Doria reforçou que o estado já possui parceria com o laboratório chinês Sinovac para a produção de uma vacina, e que não há motivos para trabalhar com uma segunda alternativa no mesmo instituto.

“A (vacina) russa não. Não sou capaz de avaliar se é boa ou não é, se tem o aval da Organização Mundial da Saúde (OMS). Não quero fazer pré-avaliação. Houve uma procura, mas foi respondido que já temos uma associação com o laboratório chinês Sinovac para a produção da CoronaVac. Não faria sentido algum ter uma segunda alternativa no mesmo Butantan, cujo objetivo é o mesmo”, afirmou.

Vacina Russa

O presidente da Rússia, Vladmir Putin, anunciou, nesta terça-feira (11/8), que o país registrou a primeira vacina do mundo contra a Covid-19. Ele chegou a informar que uma de suas filhas já tomou a vacina e que estará disponível em janeiro.

Entretanto, especialistas questionam a decisão e alertam que a pressa em começar a produzir a vacina em larga escala antes dos testes da fase 3 pode ser um problema. A fase 3 normalmente dura meses e envolve a testagem em milhares de pessoas antes de comprovar verdadeiramente a eficácia.

0

Últimas notícias