Diplomacia israelense rechaça menções de Weintraub à “Noite dos Cristais”

Ministro da Educação comparou ação da PF ao massacre de judeus por nazistas. Cônsul israelense em SP e embaixada pediram fim de comparações

atualizado 28/05/2020 15:06

A parceria diplomática entre Brasil e Israel é forte e, até agora, as seguidas menções de autoridades brasileiras ao holocausto como alegoria para a política nacional haviam despertado o repúdio de entidades judaicas pelo mundo, mas não das representações oficiais de Israel. Isso mudou nesta quinta-feira (28/02), com reclamações do cônsul israelense em São Paulo e da Embaixada do país em Brasília.

Weintraub, que tem origem judaica, mas não é judeu, comparou a operação da Polícia Federal para combater fake news à Noite dos Cristais — uma ação violenta organizada pelo regime de Adolf Hitler, na Alemanha nazista, que marcou o início da perseguição aos judeus.

O cônsul Alon Lavi foi o mais contundente. Ele fez cinco postagens divulgado o repúdio de entidades como o Museu do Holocausto do Brasil, o Comitê Judaico Norte-Americano e a Confederação Israelita do Brasil, acompanhadas de uma frase sua dizendo que o assassinato de 6 milhões de judeus não tem comparação com “qualquer realidade politica no mundo”.

A Embaixada de Israel usou um tom mais ameno e não citou o ministro brasileiro, mas reclamou que a utilização da comparação banaliza o sofrimento que foi imposto ao povo judeu.

Já o American Jewish Comittee, que representa judeus em plano global, foi mais incisivo: “Basta!”, postaram. “As repetidas menções políticas ao Holocausto por representantes do governo brasileiro são profundamente ofensivas ao povo judeu”, postaram. Veja:

Últimas notícias