Copiloto de avião bimotor que caiu mostrava rotina de voos nas redes

José Porfírio de Brito Júnior, de 20 anos, o piloto e mais um passageiro estavam no avião bimotor que caiu em Ubatuba (SP) em direção ao RJ

atualizado 25/11/2021 11:53

A aeronave modelo PA-34-220T estava registrada como propriedade do copiloto José Porfírio de Brito Júnior, de 20 anosReprodução

São Paulo – O copiloto José Porfírio de Brito Júnior, de 20 anos, compartilhava em seu perfil no Instagram a rotina de voos com o avião bimotor, que caiu na noite dessa quarta-feira (24/11), na região de mar aberto em Ubatuba, litoral de São Paulo.  A aeronave modelo PA-34-220T também estava registrada como propriedade do jovem.

O último post do copiloto na rede social foi há 23 horas, antes do último embarque. José Porfírio publicou um vídeo mostrando a hélice do motor do bimotor e, ao fundo, é possível ver que o avião sobrevoava o mar e algumas ilhas durante o dia.

0

O perfil de José tem uma seção dedicada apenas a vídeos e fotos relacionados a voos com o avião bimotor. O destaque dos stories mostra que o copiloto já tinha sobrevoado Ubatuba, região da queda do bimotor, em outra ocasião.

Com a aeronave o jovem também já tinha passado por Guanambi, na Bahia; Búzios, Angra dos Reis e Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro; Belo Horizonte, em Minas Gerais; e Salesópolis, no interior de São Paulo.

A primeira foto compartilhada pelo jovem no feed do Instagram mostrando sua rotina com aviões foi registrada em dezembro de 2020. Outro destaque do perfil do copiloto na rede social é específico sobre voos com uma outra aeronave modelo c150.

Sem autorização para táxi aéreo

O avião bimotor não tinha autorização para fazer táxi aéreo, segundo informações da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A aeronave modelo PA-34-220T estava registrada como propriedade do copiloto José Porfírio de Brito Júnior, de 20 anos. Ele, o piloto e um passageiro estava a bordo do bimotor.

0

Fabricado em 1981, o bimotor estava registrado na categoria para serviços aéreos privados e tinha autorização para fazer voos noturnos.

Porém, o status da operação do avião aparece como “operação negada para táxi aéreo”. O bimotor foi fabricado pela Piper Aircraft e tinha capacidade para transportar seis pessoas.

Destroços e resgate

A Aeronáutica informou ao Metrópoles que o Centro de Coordenação de Salvamento Aeronáutico de Curitiba (ARCC-CW), unidade da Força Aérea Brasileira responsável por coordenar as operações de buscas aéreas na região, foi notificado na noite dessa quarta-feira (24/11) sobre o desaparecimento da aeronave de prefixo PP-WRS no litoral do estado do Rio de Janeiro.

De acordo com a nota do órgão, às 4h15 dessa quinta-feira (25/11) um helicóptero H-36 Caracal do 3°/8° GAV iniciou as buscas na área delimitada, utilizando óculos de visão noturna (NVG, sigla em inglês para Night Vision Goggles).

Ainda segundo a Aeronáutica, às 6h35 a Força Aérea Brasileira localizou destroços com probabilidade de serem da aeronave desaparecida. A localização foi repassada aos órgãos de busca marítima e os voos continuam.

O Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro informou ao Metrópoles que a ação de resgate às vítimas está sendo realizada pelo Centro de Coordenação de Salvamento Aeronáutico (Salvaer).

O acidente aconteceu em uma área de mar aberto na região de Ubatuba, São Paulo. No entanto, o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro disponibilizou uma equipe para dar apoio à Aeronáutica.

Mais lidas
Últimas notícias