Clínica de aborto clandestino vendia serviço pela internet

Cada paciente pagava R$ 5 mil pelo procedimento. A polícia prendeu um médico, de 70 anos, uma enferma, de 60 anos, e uma mulher, de 24 anos

atualizado 22/02/2020 6:04

Uma clínica de aborto clandestino em São Paulo, que divulgava os serviços pela internet, foi descoberta, nesta sexta-feira (21/02/2020), pela Polícia Civil. Segundo a investigação, cada paciente pagava R$ 5 mil pelo procedimento realizado na zona sul da capital paulista. As informações são do G1.

A polícia prendeu em flagrante um médico, uma enfermeira e uma paciente. Os três – um clínico geral aposentando, de 70 anos, uma enfermeira de 60 anos, e a paciente, uma mulher de 24 anos – foram levados para o 15º Distrito Policial (DP), no Itaim Bibi. O delegado responsável pelo caso deverá arbitrar uma fiança para cada.

De acordo com a investigação, a paciente contou que tinha pago R$ 5 mil para retirar o bebê que esperava. Ela falou que está grávida de uma gestação de dez semanas. E que saiu da região de Campinas, no interior, até a capital para fazer o procedimento.

A pena para quem realiza o aborto ilegal pode ser de 1 a 4 anos de detenção. Quem se submete a ele pode receber punição de 1 a 3 anos.

Aborto no Brasil
Pelo Código Penal Brasileiro, de 1940, o procedimento é permitido em caso de risco à vida da gestante e gravidez decorrente de estupro. Em 2012, o aborto de feto sem cérebro (anencefalia) também deixou de ser considerado crime. Até então, só era realizado após autorização da Justiça.

Últimas notícias