Causa da morte de voluntário em testes da Coronavac teria sido suicídio

Anvisa resolveu interromper temporariamente os estudos clínicos por causa de um "evento adverso grave"

atualizado 10/11/2020 14:51

A morte do voluntário de 33 anos que participava dos testes da Coronavac, a vacina chinesa para imunização contra o novo coronavírus, se deu por suicídio, aponta laudo do Instituto Médico Legal (IML).

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu interromper temporariamente, nessa segunda-feira (9/11), os estudos clínicos da vacina justamente por causa desse “evento adverso grave”.

“O evento ocorrido no dia 29/10 foi comunicado à Agência, que decidiu interromper o estudo para avaliar os dados observados até o momento e julgar o risco/benefício da continuidade do estudo”, informou a Anvisa, em nota.

O presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, se disse indignado com a suspensão temporária dos estudos da Coronavac. Em coletiva realizada nesta manhã, ele destacou que a morte não teve relação com a vacina.

De acordo com o presidente do instituto, a notícia sobre a interrupção dos estudos clínicos da Coronavac “causa surpresa, insegurança e, no nosso caso do Butantan, indignação”.

“Podemos ter um evento adverso grave que não tem relação com a vacina. Por exemplo, uma pessoa sai de manhã e é atropelada ao sair de casa. Isso é um evento adverso, que tem que ser reportado”, disse.

A suspensão dos estudos clínicos se deu no dia em que o governador de São Paulo, João Doria, anunciou que o estado começa a receber no próximo dia 20 de novembro 6 milhões de doses da Coronavac.

O presidente Jair Bolsonaro disse, nesta terça-feira, ao compartilhar a informação de que a Anvisa suspendeu temporariamente os estudos clínicos da vacina, ter ganhado do governador de São Paulo.

Sem apresentar provas, o chefe do Executivo federal disse que a vacina chinesa causa “morte, invalidez e anomalia”. O comentário escancara mais uma disputa política entre Doria e Bolsonaro em meio à crise do novo coronavírus.

“Morte, invalidez, anomalia. Esta é a vacina que o Doria queria obrigar a todos os paulistanos tomá-la. O presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatória. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”, escreveu Bolsonaro.

Últimas notícias