Caso Henry: Justiça autoriza perito do caso Elize Matsunaga a depor

Desembargadores também decidiram que os peritos da Polícia Civil que assinaram os laudos sobre a morte do menino devem ser ouvidos

atualizado 22/03/2022 21:54

Henry Borel MedeirosReprodução/ redes sociais

Rio de Janeiro –  Os desembargadores da 7ª Câmara Criminal, do Tribunal de Justiça do Rio, decidiram em sessão, nesta terça-feira (22/3), que os peritos da Polícia Civil que assinaram os laudos sobre a morte do menino Henry Borel, de 4 anos, em março do ano passado, sejam ouvidos no 2º Tribunal do Júri.

O pedido foi feito pela defesa do ex-padrasto do menino, o médico e vereador cassado Jairo Souza Santos Junior. Dr. Jairinho conseguiu que também preste depoimento no caso o legista Sami El Jund. Ele atuou na defesa de Elize Matsunaga, condenada por matar e esquartejar seu ex-marido, Marcos Matsunaga, em maio de 2012, na cidade de São Paulo.

0

Contratado pela defesa do Dr. Jairinho, Jund defende a tese de que o menino estava vivo quando foi levado pelo ex-padrasto e a mãe Monique Medeiros para ser socorrido no hospital Barra D’Or, na zona oeste, em 8 de março de 2021.

“É uma vitória muito importante e foi por unanimidade. Vamos provar que não houve homicídio”, afirma a advogada Flávia Fróes.

O Ministério Público contesta essa versão e mantém o argumento de que Jairinho e a mãe de Henry,  que estão presos, são responsáveis pelo assassinato da criança.

 

Mais lidas
Últimas notícias