Capitã Cloroquina volta a defender tratamento precoce e ataca vacinas

Secretária de Gestão do Trabalho do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro cita "possíveis efeitos adversos das vacinas, incluindo a morte"

atualizado 20/01/2022 23:41

Mayra PinheiroLeopoldo Silva/Agência Senado

Mesmo após 622.205 vidas perdidas para a Covid-19 desde o início da pandemia, ainda há integrantes do primeiro escalão do Ministério da Saúde que defendem o uso de medicamentos comprovadamente ineficazes para o “tratamento precoce” da doença. É o caso da secretária de Gestão do Trabalho, Mayra Pinheiro, a “Capitã Cloroquina“, que, na contramão do que preconiza a pasta para a qual trabalha, ainda põe sob dúvida as vacinas.

Nas redes sociais, Mayra citou, nesta quinta-feira (20/1), uma decisão dos deputados estaduais de Rondônia, que aprovaram lei que libera a prescrição de hidroxicloroquina, cloroquina, azitromicina e ivermectina para tratar pacientes diagnosticados com Covid.

Quanto à vacina, a secretária de Gestão do Trabalho afirma que “não evitam uma doença e que já tem milhares de notificações de possíveis efeitos adversos graves, incluindo a morte”.

Confira:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Sec/MS – Dra Mayra Pinheiro (@dra.mayra.oficial)

Kit Covid é ineficaz

Todos esses medicamentos já tiveram sua ineficácia no tratamento do novo coronavírus cientificamente comprovada, mas a Capitã Cloroquina entende que os parlamentares rondonienses dão “exemplo ao Brasil”.

Vale ressaltar que, em dezembro de 2021, a Comissão de Incorporação de Tecnologias ao Sistema Único de Saúde (Conitec), ligada ao Ministério da Saúde, aprovou protocolo ambulatorial que indica, entre outros, a ineficiência do chamado kit Covid.

O documento foi elaborado a partir de estudo encomendado pela Saúde e não recomenda o uso de remédios como ivermectina, azitromicina e hidroxicloroquina para tratamento da Covid-19.

Vacinação avança

Em relação às vacinas, o Ministério da Saúde pôs em prática a campanha nacional de vacinação, sendo que 148.164.207 brasileiros já estão totalmente imunizados – com duas doses ou dose única.

“A recomendação do Ministério da Saúde é pela inclusão das crianças de 5 a 11 anos na Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO), conforme posicionamento oficial da pasta declarado em consulta pública no dia 23 de dezembro e reforçado pelo ministro da Saúde em manifestações públicas”, diz a pasta sobre a inclusão de crianças no esquema de vacinação.

Mais lidas
Últimas notícias