Câmbio, desligo. Veja a lista dos doleiros alvos da operação da PF

A ação é um desdobramento da Lava Jato. Esquema consistia em montra offshore para sonegar bens e impostos

atualizado 03/05/2018 11:29

Rafaela Felicciano/Metrópoles

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (3/5) mais um desdobramento da Operação Lava Jato, a “Câmbio, Desligo”. O alvo dos agentes federais é um esquema que movimentou três mil offshores (empresas abertas em territórios com menor tributação) em 52 países, movimentando US$ 1,6 bilhões.

Foram cumpridos 45 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Uruguai e Paraguai.

A seguir, a lista de todos os operadores financeiros presos:

Dário Messer
Marcelo Rzezinski
Roberto  Rzezinski
Cláudia Mitiko Ebihara
Lígia Martins Lopes da Silva
Carlos Alberto Lopes Caetano
Sérgio Mizhray
Carlos Eduardo Caminha Garibe
Ernesto Matalon
Marco Ernest Matalon
Patrícia Matalon
Bella Kaireh Skinazi
Chaaya Moghrabi
Marcelo Fonseca de Camargo
Paulo Sérgio Vaz de Arruda
Roberta Prata Zvinakevicius
Francisco Araújo Costa Júnior
Afonso Fábio Barbosa Fernandes
Paulo Aramis Albernaz Cordeiro
Antônio Cláudio Cordeiro
Athos Roberto Albernaz Cordeiro
Suzana Marcon
Carmém Regina Albernaz Cordeiro
Cláudio Sá Garcia de Freitas
Ana Lúcia Sampaio Garcia de Freitas
Camilo de Lelis Assunção
Alexandre de Souza e Silva
Claudine Spiero
Michel Spiero
Richard Andrew de Mol Van
Raul Henrique Srour
Marco Antônio Cursini
Nei Seda
Renê Maurício Loeb
Alexander Monteiro
Henri Joseph Tabet
Alberto Cézar Lisnovetzky
Lino Mazza Filho
Carlos Alberto Braga de Castro
Rony Hamoui
Henrique Chueke
Wander Bergmann Vianna
Oswaldo Prado Sanches
Wu yu Sheng
Digo Renzo Candolo
Daniela Figueiredo Neves Diniz
José Carlos Maia Saliba

Doleiros dos doleiros
A ação, que conta com a parceria do Ministério Público Federal (MPF), tem como alvos doleiros que enviavam dinheiro para o exterior sem passar por instituições financeiras. O esquema envolve cerca de três mil offshore em 52 países, que movimentavam US$ 1,6 bilhão. As empresas eram usadas para ocultar os verdadeiros donos dos recursos. Segundo as investigações, o grupo usava até softwares para monitorar o dinheiro.

A operação foi batizada de Câmbio, desligo e os mandados autorizados pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro. Estão sendo cumpridos um total de 43 ordens de prisão preventiva no Brasil e seis de prisão preventiva no exterior, quatro de prisão temporária, e 51 mandados de busca e apreensão.

Principal alvo da operação, Messer é um antigo doleiro do Rio de Janeiro que após o caso Banestado – maior escândalo de lavagem de dinheiro da história do Brasil – mudou sua banca para o Uruguai e para o Paraguai. A “Câmbio, Desligo” também cumpre mandados judiciais nos dois países.

Últimas notícias