Benefícios do governo a militares custarão R$ 27,7 bilhões até 2022

A título de comparação, investimento daria para comprar 526,6 milhões de doses da vacina AstraZeneca contra a Covid-19

atualizado 18/09/2021 11:36

Demonstração operativa dos fuzileiros militares exercito navais da operação Formosa durante agenda do presidente bolsonaro 13Igo Estrela/Metrópoles

Os benefícios concedidos pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a policiais, bombeiros e membros das Forças Armadas vão custar cerca de R$ 27,7 bilhões aos cofres públicos até o fim de 2022.

É o que mostra levantamento feito pelo jornal Estado de São Paulo, divulgado em reportagem deste sábado (18/9). Durante a gestão Bolsonaro, as categorias receberam aumento de salários, cargos comissionados no Executivo e um programa habitacional.

A título de comparação, os R$ 27,7 bilhões investidos em favor das categorias dariam para comprar 526,6 milhões de doses da vacina AstraZeneca contra a Covid.

Além disso, o valor poderia ser utilizado para construir 3,3 mil escolas públicas de ensino básico no Distrito Federal. O montante também é suficiente para comprar 180,4 mil ambulâncias para o Sistema Único de Saúde.

Habite Seguro

Na última segunda-feira (13/9), o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Anderson Torres, e o presidente da República, Jair Bolsonaro, lançaram o Habite Seguro, programa habitacional destinado a profissionais da Segurança Pública do país.

Poderão financiar a casa própria por meio do benefício servidores da ativa, reformados e aposentados. O programa tem como prioridade os agentes, tanto da segurança pública quanto da defesa social, que tenham renda bruta mensal de até R$ 7 mil.

Quem estiver acima dessa faixa salarial também poderá ser atendido pelo programa, porém, terão taxas de juros e benefícios diferenciados. O programa deve custar R$ 183,9 milhões aos cofres públicos até o final de 2022.

0
Reajustes salariais

Somados aos gastos com militares estão os valores empenhados no reajuste de salários a policiais militares, civis e bombeiros no Distrito Federal, no Amapá, em Rondônia e Roraima.

O custo estimado é de R$ 1,64 bilhão até o fim de 2022. As categorias foram beneficiadas durante a pandemia de Covid-19, ao mesmo tempo que diversos servidores tiveram salários congelados.

O aumento de salários e adicionais para militares das Forças Armadas também entra na lista de benefícios: serão R$ 21,16 bilhões gastos até o fim de 2022.

Cargos

Além dos programas e reajustes salariais para as categorias, o governo Bolsonaro foi responsável por integrar cerca de 6.157 homens das Forças Armadas, da ativa e da reserva, em postos civis do Executivo.

Os números são de um levantamento realizado pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Em junho deste ano, a Presidência da República publicou decreto que libera a permanência de militares nestas posições por tempo indefinido.

Últimas notícias