Após inspeções de segurança, Gol veta voos de 11 Boeings 737 NG

Suspeitas de rachaduras estruturais haviam sido apontadas pela FAA, a agência de aviação dos EUA. Aeronave é versão anterior do 737 Max

ReproduçãoReprodução

atualizado 09/10/2019 21:44

Uma semana depois de a agência de aviação dos Estados Unidos, a FAA, apontar suspeitas de rachaduras estruturais em Boeings 737 NG (a versão anterior do problemático 737 Max) e recomendar inspeções de segurança para as empresas ao redor do mundo que usam a aeronave, a Gol Linhas Aéreas decidiu nesta quarta-feira (09/10/2019) suspender atividades de 11 aviões desse modelo.

“A companhia retirou de operação as aeronaves nas quais foram encontrados indícios da necessidade de substituição de um componente especifico, cujas características se apresentaram fora dos padrões estabelecidos pelo fabricante, reportando essas ocorrências à FAA e à Boeing, de forma coordenada com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Essas aeronaves permanecerão inoperantes até o cumprimento da manutenção”, afirmou a Gol em comunicado.

Também nesta quarta, a companhia aérea norte-americana Southwest Airlines afirmou que encontrou rachaduras em dois 737 NG e imediatamente retirou as aeronaves de serviço.

O sucessor do 737 NG, o 737 Max, teve as operações suspendidas neste ano no mundo inteiro, mas devido a outro problema, uma falha em sistemas de controle de voo. A falha teria provocado a queda de dois aviões desse modelo.

Últimas notícias