Após convocação de protestos, Bolsonaro cancela visita a universidade

Estudantes se reuniram em frente ao Mackenzie, desde 10h, desta quarta-feira (27/3). Bolsonaro teria agenda às 14h30

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 27/03/2019 14:06

Com o anúncio de uma visita do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), à Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, estudantes convocaram protestos para a porta do Centro de Ensino. O presidente, que iria visitar o centro de pesquisas sobre grafeno – considerado o material mais fino do planeta – cancelou a agenda.

Bolsonaro postou no twitter que visitaria o local junto ao ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, e a agenda foi confirmada pelo ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno.

Apesar de o compromisso estar marcado para 14h30, os estudantes se reuniram no campus desde as 10h, quando Bolsonaro ainda estava em Brasília. Durante as manifestações, os alunos carregavam cartazes chamando o presidente de fascista e dirigiram gritos de ordem com insultos ao chefe do Executivo.

A assessoria de imprensa do Palácio do Planalto informou que a prioridade do presidente é a realização de uma bateria de exames no hospital Albert Einstein, onde ele se trata desde que sofreu um ataque a faca ao longo da campanha presidencial do ano passado.

Últimas notícias