ANP vai punir posto que fizer reajuste abusivo de preço da gasolina

Levantamento do Metrópoles identificou uma disparada dos valores no Distrito Federal

Rafaela Felicciano/MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 18/09/2019 9:46

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) informou que fez um alerta a postos de combustíveis que fizerem reajustes abusivos de preços na esteira da crise do petróleo. Se essa situação for verificada, os locais poderão ser punidos.

“A ANP está atenta aos preços dos combustíveis praticados no Brasil. Os preços são livres, por lei, em todas as etapas da cadeia: produção, distribuição e revenda”, informa a agência por meio de nota. No entanto, “diante de preços abusivos, a ANP atua em conjunto com os Procons para penalizar os infratores”, pontuou.

O Metrópoles fez um levantamento nessa terça-feira (17/09/2019) e verificou uma disparada do preço da gasolina no Distrito Federal. Em apenas seis dos 47 estabelecimentos pesquisados pela reportagem o valor do litro era menor do que R$ 4,20. O Petrolino, no centro de Taguatinga, tem o mais barato: R$ 4,06. Pela manhã, a fila para abastecer era grande no local.

Isso porque os consumidores temem que os valores, que subiram antes mesmo de a Petrobras repassar o aumento em razão da crise do petróleo na Arábia Saudita, aumentem ainda mais. O Instituto de Defesa do Consumidor (Procon) informou que está atento à movimentação nas bombas e deve tomar providências a partir desta quarta-feira (18/09/2019).

Confira a íntegra da nota:
“A ANP está atenta aos preços dos combustíveis praticados no Brasil. Os preços são livres, por lei, em todas as etapas da cadeia: produção, distribuição e revenda.

Diante de denúncias de preços abusivos, a ANP faz ações de campo para confirmar essas suspeitas. Quando constata a prática de preços abusivos, a Agência atua em conjunto com os Procons para penalizar os infratores.”

Últimas notícias