*
 

Estreia na manhã deste sábado (24/9) “A Repartição do Tempo”, primeiro longa do brasiliense Santiago Dellape. O filme concorre ao Troféu Câmara Legislativa dentro da Mostra Brasília, evento que corre paralelo à 49ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.

No roteiro de “A Repartição do Tempo”, Dr. Brasil (Tonico Pereira), funcionário do Repi (Registro de Patentes e Invenções), protocola o protótipo de uma máquina do tempo que, depois de cair nas mãos do psicótico Lisboa (Eucir de Souza), chefe da repartição, acaba sendo usado para duplicar funcionários públicos e aumentar a produtividade do setor.

Escravizado, o grupo formado por Jonas (Edu Moraes), Carol (Bianca Muller) e Zé (André Deca) precisava se livrar das garras do tirano.

“Essa estética do filme que se passa nos anos 80 faz parte da minha memória afetiva. Remete a como o cinema entrou na minha vida, com aqueles filmes da Sessão da Tarde, como o ‘Goonies’, ‘Conta Comigo’ e ‘De Volta Para O Futuro’. Eu gosto muito”, afirma Dellape.

Ao Metrópoles, o diretor comentou a primeira cena do filme, o que já dá um gostinho do que será exibido na tela do Cine Brasília:

Bastidores

Filmado todo em Brasília, o longa usou quatro locações principais: o Centro de Dança Athos Bulcão (Setor de Autarquias Norte), o clube Ascade (Setor de Clubes Esportivos Sul), um depósito no Saan e a sede da Labre-DF (Liga de Amadores Brasileiros de Rádio Emissão), ao lado da antiga Academia de Tênis.

No elenco estão nomes de alcance nacional, como Dedé Santana, Tonico Pereira, Eucir de Souza, Bianca Muller, Selma Egrei e Sérgio Hondjakoff (o Cabeção da Malhação). Além deles, os brasilienses Andrade Jr., Edu Moraes, Sérgio Sartório, Ricardo Pipo, Rosanna Viegas, Bidô Galvão, Dina Brandão, Lauro Montana e André Deca.

De acordo com Santiago, a escolha da temática sobre o funcionalismo público não foi por acaso: “Eu sempre me interessei por esses temas relacionados à burocracia. Um dos meus filmes, inclusive, ‘Nada Consta’, trata da história de um cara que quer viajar para a Lua e não consegue, pois falta retirar o ‘Nada Consta’ para embarcar”, conta.

Filme foi feito para o público. Minhas produções são mais parecidas com o cinema comercial norte-americano do que com o cinema brasileiro contemporâneo."
Santiago Dellape

Bem satisfeito com o resultado, Santiago ressalta a consolidação do mercado brasiliense: “Esse é um filme legítimo de Brasília, então não só a locação, mas até a galera da pós-produção é, em sua maioria, daqui. Brasília está bem estabelecida no mercado audiovisual e tem profissionais competentes”.

Veja o trailer:

Humor e fantaisa

“A Repartição do Tempo” é o primeiro longa-metragem de Santiago Dellape. O diretor brasiliense de 33 anos é formado em Audiovisual pela Universidade de Brasília.

As produções de Dellape focam no humor, na fantasia, e no uso de diferentes linguagens, como a dos quadrinhos. Além de “A Repartição do Tempo”, o diretor produziu outros sete filmes, todos curta-metragem. Um deles é “Ratão”, querido do público de Brasília, exibido em 2010 no Festival.

Exibição do longa-metragem “A Repartição do Tempo”
Neste sábado (24/9), às 11h, no Cine Brasília (106/107 Sul), pelo 49º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Entrada franca.

 

 

COMENTE

comunicar erro à redação