*
 

Sócio da Netpub e ex-funcionário de Sandra Faraj (SD), Filipe Nogueira identificou carimbo falso em uma das notas fiscais apresentadas pela defesa da parlamentar. O documento consta na representação em que a ONG Adote um Distrital pede a cassação de Sandra. Alvo de investigação por suspeita de usar verba indenizatória irregularmente, a deputada alega ter pago R$ 150 mil em dinheiro pelos serviços prestados. E foi ressarcida pelos cofres públicos. Mas o empresário afirma que não recebeu um centavo sequer.

De acordo com Nogueira, o carimbo que atesta o recebimento pelo serviço da nota fiscal referente ao mês de fevereiro de 2016 não é o mesmo utilizado pela sua empresa. “Não carimbamos a última nota justamente para pressionar o pagamento”, contou ao Metrópoles. De acordo com ele, a assinatura também não confere.

Os documentos mostrados na defesa da parlamentar ostentam um carimbo azul. No entanto, as notas da Netpub usam tinta preta. O texto do registro também é diferente. Em um está escrito “recebido”. No outro, “recebemos”.

A denúncia pode mudar o rumo do trâmite da representação contra Sandra na Câmara Legislativa. Até então, nos bastidores, articulava-se um acordo para livrá-la de uma cassação, já que se tratava de uma guerra de versões, a palavra de um contra a de outro. Caso seja confirmada a falsificação do carimbo e da assinatura, a situação tende a virar.

O presidente da Casa, Joe Valle (PDT), afirmou que vai se reunir com os demais integrantes da Mesa Diretora, nesta segunda-feira (13/3), às 10h, sem a presença de Sandra Faraj, para avaliar a nova evidência. O deputado estuda ampliar o prazo de análise do processo de cassação, que caminhava para o arquivamento.

Precisamos de mais tempo para analisar esse novo fato. Vou propor à Mesa que estenda o prazo para definirmos como iremos proceder"
Joe Valle, presidente da CLDF

A suspeita do sócio da Netpub surgiu, neste fim de semana, quando integrantes da ONG Adote um Distrital tiveram acesso à defesa apresentada pela deputada Sandra Faraj à Câmara Legislativa. “Eles [Adote] perceberam uma diferença nas notas e avisaram. Vi que não tínhamos aquele carimbo. Ainda perguntei ao financeiro e todos disseram que não havíamos batido ou assinado aquela nota”.

Nos documentos presentes na defesa da parlamentar, 11 das 12 notas entregues pela Netpub ao gabinete de Sandra Faraj possuem o carimbo idêntico, com o nome da empresa neles. Porém, o de fevereiro de 2016, exatamente o da última nota entregue pela empresa de Filipe Nogueira, é diferente e tem uma assinatura divergente das demais.

Confira abaixo a comparação entre uma nota de dezembro de 2015 e uma de fevereiro de 2016:

Veja a diferença em detalhe:

Reprodução

 

Denúncia
Filipe e a mulher dele, Michelly Nogueira, denunciam um esquema no qual a deputada teria recebido as notas fiscais antes do acerto de contas e nunca quitado a dívida. A Netpub prestava serviços na área de tecnologia da informação.

As divergências ocorreram durante os dois anos em que Filipe trabalhou no gabinete de Sandra, até que a Netpub entrou com pedido formal de execução da dívida, tanto na Justiça quanto na Câmara, em julho de 2016.

Sandra Faraj nega que tenha a dívida com a empresa e diz que todos os pagamentos foram realizados em dinheiro, apesar de o contrato com a Netpub definir que eles deveriam ser feitos por meio de boletos.

Diante das denúncias, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) também abriu uma investigação contra a parlamentar, que já prestou depoimento espontâneo aos promotores.

Continuidade da investigação
O coordenador da ONG Adote um Distrital, Olavo Santana, confirmou as informações prestadas pelo ex-funcionário de Sandra e disse que a entidade vai cobrar da Câmara Legislativa a continuidade do processo de investigação contra a parlamentar.

A defesa da deputada é muito fraca, mas caminhava para o arquivamento. Agora, temos uma nova evidência de irregularidade que deve ser analisada não mais pela Mesa Diretora, mas pela Corregedoria da Casa e, em seguida, pelo Conselho de Ética"
Olavo Santana, ONG Adote um Distrital

O advogado de Sandra Faraj, Cleber Lopes, disse que, após o novo fato, vai aguardar a decisão da Mesa Diretora. Ele garantiu que a deputada nada tem a ver com as diferenças entre as notas.

“A deputada não tem acesso à nota. Quem faz o pedido de pagamento da verba indenizatória é um funcionário. O que podemos dizer é que realmente o carimbo é diferente dos demais apenas na nota”

 

 

COMENTE

Câmara Legislativasandra farajNetpubcarimbo falsofilipe nogueiraONG adote um distrital
comunicar erro à redação