" />
*
 
 

“Menina, tira a mão daí, é sujo, é pecado, fecha essas pernas, senta que nem mocinha”. Que atire a primeira pedra a mulher que nunca escutou essas ordens. Desde pequenas, nós, mulheres, somos incentivadas a desconhecer nosso próprio corpo.

Sem entender de anatomia e reprimidas, quando chegamos à vida adulta, acreditamos que o poder de nos dar prazer está no outro. Tudo errado do começo ao fim.

Convidamos a sexóloga, fisioterapeuta e blogueira Cátia Damasceno, da página Mulheres Bem Resolvidas, para explicar os caminhos do prazer feminino. “Orgasmo é sensação de pré-morte. Eu vou morrer, eu vou morrer, ainda bem que não morri”, define.

O gozo ocorre quando as terminações nervosas da vagina (ou do pênis) passam informação para o cérebro. Há uma descarga de adrenalina, taquicardia, respiração ofegante, pupila dilatada e liberação de endorfina.

“O orgasmo vaginal, com penetração, é realmente mais difícil. O clitoriano é mais fácil, pois o clitóris está exposto”, explica Cátia.

O clitóris tem 8 mil terminações nervosas concentradas em uma área muito pequena. A glande, por exemplo, tem 4 mil terminações. Adivinha quem é mais sensível!?"
Cátia Damasceno

 

 

Fica a dica, por Cátia Damasceno:

1 – Não consigo gozar. E agora?
“O primeiro passo é procurar um médico e checar se está tudo bem com a parte física, com os hormônios. Eu recebo e-mails assim: ‘Cátia, estou com corrimento, o que eu tenho?’. Não sou médica! As mulheres ainda têm medo e vergonha de fazer exame preventivo. A gente chega a tal ponto que algumas procuram consulta por e-mail.”

2 – O buraco é mais embaixo
“A primeira grande dificuldade do orgasmo é a falta de conhecimento próprio e de informação. Só de falar em orgasmo e masturbação tem gente que se encolhe toda. Mulheres, masturbem-se”.

3 – O pinto dele não é o centro do universo
“Nas relações heterossexuais, alguns homens agem como se o pênis tivesse que ser a única fonte de prazer da vida da mulher. Associam o orgasmo dela ao pênis. O orgasmo vem do mamilo, do ouvido, da imaginação.”

4 – Não ache que é dever do outro saber como te dar prazer
“Você, mulher, tem que saber do que gosta para então ensinar para a criatura do seu lado o que você quer. O problema é que muita mulher nem sabe do que gosta, então, o que vier para ela é lucro. Tem que ter liberdade de conversar sobre isso no relacionamento.”

5 – Sexo é assunto de família, sim
“Sexo é saúde, faz parte da nossa vida, é para relaxar, é saudável e natural. Por que os pais não conversam com as filhas sobre isso? Elas vão procurar na internet e podem encontrar algumas fontes muito deturpadas de informação. Li uma pesquisa recente que aponta que jovens bem informados e orientados tendem a perder a virgindade mais tarde, quando estão mais preparados.

Cerca de 70% das mulheres que têm problemas para sentir prazer é por razões emocionais. São bloqueios que vem lá de pequenininha. ‘Menina, tira a mão daí, é sujo, é pecado, fecha essas pernas’.  Muita gente confunde educação com estímulo.”

6 – Pepeca fitness
“Tem uma coisa chamada ginástica íntima, que é tiro e queda: a gente aprende a ter controle sobre a musculatura vaginal. Com essa técnica, se você pegar um pênis fino, por exemplo, pode estreitar o canal vaginal. Qualquer estimulo será mais intenso. Cada mulher é de um jeito, algumas são mais estreitas, outras mais fundas.

O pompoarismo aumenta a libido, a lubrificação. Sem contar o bem que faz à saúde: você não terá incontinência, se quiser ter um parto natural será mais fácil e na menopausa terá menos ressecamento. A mulher, acima de tudo, tem que estar satisfeita. Satisfazer o outro é consequência.”

sexofeminismopouca vergonha
 




COMENTE

Ler mais do blog