*
 

A intenção do Ministério dos Transportes é das melhores: alertar as pessoas para o perigo de alguém falar ao telefone enquanto dirige. No entanto, a campanha publicitária “Gente Boa Também Mata”, lançada nesta segunda-feira (2/1), tem sido alvo de uma enxurrada de críticas nas redes sociais.

No vídeo, aparecem pessoas que resgatam animais na rua, fazem trabalho voluntário, plantam árvores, “espalham amor pelas ruas”, e, logo em seguida, elas são associadas ao gesto de atender uma ligação telefônica ao volante. O filme termina coma chamada: “Gente boa também mata”.

Nos cartazes, esses mesmos personagens do vídeo aparecem isoladamente, mas também associados ao tema da campanha. Na própria página do Ministério dos Transportes no Facebook, surgiram as primeiras críticas

“A prepotência e leviandade de querer sentar uma pessoa boa, do bem, na cadeira dos salientes, libertinos, inconsequentes, sem noção, é querer igualar aos maus pessoas que jamais irão destruir”, escreveu José Rodrigues.

Segundo outro internauta, Neli Almeida, é a “pior campanha dos últimos tempos”. “Além de abobalhar a bondade, mistura uma avaliação moral das pessoas com a questão das mortes no trânsito. Campanha de baixa compreensão ética dos problemas da vida urbana! Até quando?”

No Twitter, o deputado federal Ricardo Tripoli (PSDB-SP), coordenador da Frente Ambientalista do Congresso Nacional, anunciou que já tomou uma medida: “Sobre a campanha do Ministério dos Transportes, informo que já solicitei a retirada dessa publicidade das ruas. Seguimos vigilantes!”

Até a última atualização desta reportagem, o Ministério dos Transportes não havia se pronunciado sobre a polêmica.

 

 

 

 

 

COMENTE

Campanhaministério dos transportespublicidade
comunicar erro à redação