metropoles.com

Varíola dos macacos: veja 4 mitos que atrapalham o combate à doença

Infectologista avalia que estigmas e fake news atrapalham o acesso ao tratamento e o combate à doença que se espalhou por 78 países

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução
Goiás tem primeiro caso suspeito de varíola dos macacos, diz Ministério da Saúde
1 de 1 Goiás tem primeiro caso suspeito de varíola dos macacos, diz Ministério da Saúde - Foto: Reprodução

Desde que o primeiro caso de varíola dos macacos (monkeypox) foi notificado no Reino Unido, há três meses, mais de 27 mil pessoas foram diagnosticadas com a doença em todo o mundo. Com o aumento de casos cresceram também as dúvidas — nas redes sociais, já começaram a circular informações falsas e imprecisas. Especialistas em saúde pública avaliam que a desinformação e os estigmas em torno da doença atrapalham o enfrentamento.

“A estigmatizarão atrapalha tudo porque vai contra a vida das pessoas. Esses pacientes precisam ser acolhidos, protegidos e ter acesso ao tratamento”, afirma o infectologista José David Urbaez Brito, presidente da Sociedade de Infectologia do Distrito Federal.

Afim de esclarecer essas dúvidas, o Metrópoles explica quatro mitos sobre o assunto:

Mito 1: “Apenas homens gays e bissexuais correm risco de pegar a doença”

Qualquer pessoa que viva ou tenha contato próximo com um paciente com feridas ou bolhas provocadas pelo vírus corre risco de ser infectada. Isso inclui parentes, parceiros afetivos e sexuais, e profissionais de saúde, independente do gênero ou orientação sexual.

O presidente da Sociedade de Infectologia do Distrito Federal explica que o início da transmissão da doença coincidiu com grandes eventos do calendário do orgulho gay, e o vírus encontrou nas aglomerações o ambiente perfeito para se disseminar.

“Esse grupo de pessoas, por uma circunstância, estava em maior risco. Poderia ter sido no Carnaval. Muitos fatores fizeram com que o vírus encontrasse uma forma mais eficiente de transmissão. Isso não quer dizer que tenha relação com a orientação sexual”, afirma.

Mito 2: “O vírus não é transmitido pelo ar, logo, não preciso fazer isolamento”

O isolamento faz parte das medidas para conter o surto. Segundo Urbaez, o paciente deve ser permanecer de quarentena por cerca de 21 dias (três semanas) ou até que todas as lesões estejam completamente cicatrizadas e sem casquinhas.

0

Mito 3: “O vírus é transmitido como o HIV”

Embora o vírus da varíola dos macacos já tenha sido encontrado em uma amostra de sêmen, ainda não está comprovado se a transmissão pode ocorrer pelo contato com o esperma ou fluidos vaginais. Ainda assim, a Organização Mundial de Saúde (OMS) considera a doença como uma infecção sexualmente transmissível (IST).

O contágio ocorre principalmente quando há contato próximo (que acontece pelo beijo, abraço, relação sexual oral ou com penetração) com os fluidos das feridas e bolhas de um paciente infectado. Outras vias de transmissão são o compartilhamento de objetos e superfícies.

Mito 4: “A varíola dos macacos tem alto risco de morte”

Embora a doença possa causar quadros graves – com dor intensa causada pelas lesões na pele, acometimento da mucosa retal e cicatrizes permanentes por todo o corpo –, a taxa de mortalidade pela infecção do monkeypox está abaixo de 1%.

“Felizmente, a doença tem letalidade muito baixa. Em alguns países da África, a letalidade é mais alta pela falta de acesso ao diagnóstico e tratamento, situação completamente diferente da nossa realidade”, afirma Urbaez.

Pessoas com o sistema imunológico comprometido, recém-nascidos e crianças pequenas correm o risco de desenvolver sintomas mais graves quando são infectadas.

“No passado, entre 1% a 10% das pessoas com varíola dos macacos morreram. É importante notar que as taxas de mortalidade em diferentes contextos podem diferir devido a uma série de fatores, como o acesso aos cuidados de saúde”, disse a OMS, em comunicado.

De acordo com a plataforma Our World In Data, foram registrados cerca de 27 mil casos e nove mortes em todo o mundo entre o início de maio e essa quinta-feira (4/8). Na maioria dos casos, os sintomas evoluem e desaparecem por conta própria em algumas semanas.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações