metropoles.com

Ansiedade: especialista explica sete tipos do transtorno. Confira

O transtorno de ansiedade não é único: a doença pode se apresentar de diferentes formas e por diferentes motivações

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/Getty Images
Foto de uma mulher abraçando o travesseiro - Metrópoles
1 de 1 Foto de uma mulher abraçando o travesseiro - Metrópoles - Foto: Reprodução/Getty Images

O distúrbio de ansiedade é uma questão de saúde pública em nosso país. Afinal, o Brasil é o país mais ansioso do mundo, como indicou um levantamento de 2019 da Organização Mundial da Saúde (OMS). A pesquisa mostrou que o país apresentava 18,6 milhões de pessoas (quase 10% da população) sofrendo com esse transtorno.

Antes de se tornar um distúrbio, porém, a ansiedade é um fenômeno natural, explica a médica Tamires Cruz, especializada em saúde mental, com foco em depressão. “Quando o cérebro detecta o perigo, ele envia sinais de alarme ao corpo, que reage conforme o aviso”, afirma. Portanto, sentir-se um pouco ansioso ao enfrentar grandes eventos da vida é normal.

No entanto, quando esses sentimentos de preocupação persistem mesmo quando tudo está sob controle, o que é natural torna-se patológico. Caracteriza-se assim o distúrbio, que pode acarretar diversos problemas de ordem emocional, alerta a médica.

Tipos de ansiedade

O transtorno de ansiedade não é singular – muito pelo contrário. A doença pode se apresentar de diferentes formas, em diferentes contextos.

0

Tamires aponta 7 manifestações diversas do distúrbio:

Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG)

Esse tipo de ansiedade se caracteriza por preocupação e medo duradouros em razão de diversas situações e acontecimentos. “Os sentimentos ocasionados por essas preocupações se tornam irreais, o que pode afetar o desempenho de quem sofre de TAG em seus esforços diários, devido à incapacidade de controle”, explica Tamires.

Segundo a médica, os sintomas são os mesmos da ansiedade comum (dores de cabeça e estômago, irritabilidade, inquietação, fadiga, falta de concentração, sudorese, dificuldade para dormir, sensação de destruição constante e iminente). Porém, eles se apresentam de forma crônica e com maior gravidade.

Transtorno do pânico

O transtorno do pânico distingue-se por seus ataques de intenso medo, que podem incluir, entre outros sintomas: tremores, palpitações cardíacas, falta de ar, medo de perder o controle, formigamento, e medo extremo da morte e desgraça iminente.

“Os ataques surgem repentinamente e atingem o nível de pânico em minutos, podendo durar horas”, explica Tamires. Segundo a médica, aqueles que sofrem do transtorno costumam evitar certos lugares, pessoas e situações por medo de que possam desencadear um ataque de pânico.

Transtorno de ansiedade social

Evitar a socialização, pelo medo de julgamentos negativos e embaraços públicos é a ação mais comum de quem sofre de transtorno de ansiedade social. A médica relata que indivíduos que apresentam esse quadro, quando se encontram em situações em que são forçados a interagir com outras pessoas, começam a sentir sintomas físicos extremos de desconforto, como aumento da frequência cardíaca, náusea, tontura e sudorese.

“Para ser diagnosticado com esse tipo de transtorno, a pessoa deve apresentar esses sintomas a maior parte do tempo, por pelo menos seis meses”, afirma.

Confira a lista completa no site Saúde em Dia, parceiro do Metrópoles.

Siga a editoria de Saúde no Instagram e fique por dentro de tudo sobre o assunto!

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações