metropoles.com

Esclerose lateral amiotrófica: apenas 10% dos casos são genéticos

Esclerose lateral amiotrófica (ELA) ainda tem causa pouco conhecida, mas maioria dos casos está relacionada ao estilo de vida do paciente

atualizado

Compartilhar notícia

herraez
Paciente com esclerose lateral amiotrófica vestido de azul se apoia em aparelho com o auxilio de enfermeira
1 de 1 Paciente com esclerose lateral amiotrófica vestido de azul se apoia em aparelho com o auxilio de enfermeira - Foto: herraez

A esclerose lateral amiotrófica (ELA) é uma doença neurológica progressiva que afeta os neurônios, as células nervosas responsáveis por transmitir sinais do cérebro aos músculos voluntários.

O grupo muscular desempenha um papel crucial no movimento das extremidades, na fala, respiração e alimentação — a condição é conhecida por paralisar o paciente aos poucos enquanto o cérebro continua funcionando normalmente.

Segundo o neurologista Carlos Wagner Pereira Júnior, do hospital Anchieta de Brasília, do grupo Kora Saúde, a ELA é mais comum nos homens, com a proporção de 1,5 diagnósticos entre eles para cada mulher. A incidência no Brasil é de um caso por ano para cada 50 mil, o que caracteriza a doença como rara.

“Apesar da baixa incidência, a manifestação da condição impacta muito a vida do doente e a dos familiares, porque a ELA causa uma incapacidade física aguda”, afirma o neurologista. Ele acrescenta que a sobrevida é bastante variável, uma vez que depende da forma da esclerose. Ela é dividida em casos esporádicos e familares.

A esclerose lateral amiotrófica é uma doença incurável, cujas causas ainda são pouco compreendidas. No entanto, estima-se que de 5% a 10% dos casos possuam algum componente genético danificado. A maioria dos diagnósticos, porém, é desencadeada de forma esporádica e está relacionada ao estilo de vida do paciente.

Diante do risco associado à rotina, é recomendado adotar hábitos saudáveis, como uma alimentação balanceada e a prática regular de exercícios físicos, como forma de retardar o aparecimento dos primeiros sintomas da doença, que geralmente se manifestam após os 50 anos de idade.

Sintomas da esclerose lateral amiotrófica

Além de causar ao paciente a incapacitação física, a ELA também pode apresentar sintomas cognitivos, como problemas de memória e dificuldade de raciocínio. Outros sintomas da doença são:

  • Engasgos frequentes;
  • Gagueira (disfemia);
  • Cabeça caída;
  • Cãibras musculares;
  • Contrações musculares;
  • Perda de peso;
  • Alterações da voz;
  • Rouquidão;
  • Problemas de dicção – como um padrão de fala lento ou anormal.

Tratamento da esclerose lateral amiotrófica

Os tratamentos disponíveis atualmente têm como objetivo principal retardar a progressão da doença e aliviar os sintomas. O atendimento é multidisciplinar e inclui sessões de fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional.

Além de abordagens terapêuticas, também são utilizados equipamentos tecnológicos que contribuem para o bem-estar do paciente, como respiradores, ventiladores e dispositivos de comunicação assistida. Recursos assim auxiliam no controle dos sintomas e na manutenção da qualidade de vida do indivíduo.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações