Covid: Hong Kong sacrificará 2 mil hamsters após achar pets infectados

A decisão reforça a abordagem de tolerância zero das autoridades de saúde do país em relação à Covid-19 e suas variantes

atualizado 18/01/2022 11:33

foto colorida de hamster em gaiolaGettyimages

Autoridades de saúde de Hong Kong determinaram, nesta terça-feira (18/1), que 2 mil hamsters devem ser sacrificados na região após 11 roedores de um pet shop serem identificados com Covid-19. A decisão reforça a abordagem de tolerância zero do continente em relação ao vírus, tentando exterminar o surto internamente e mantendo rigidamente o controle de fronteira com o mundo exterior.

A ordem foi dada após a confirmação de que os animais e um funcionário estavam com a variante Delta do coronavírus. De acordo com o Departamento de Agricultura, Pesca e Conservação, a cidade também vai interromper a venda de hamsters e a importação de pequenos animais.

O diretor do departamento, Leung Siu-fai Leung, confirma que 2 mil hamsters em 34 pet shops e instalações de armazenamento serão abatidos “humanitariamente”, pois é impossível colocar todos em quarentena e observar cada um deles.

“Qualquer pessoa que comprou um hamster depois de 22 de dezembro de 2021 deve entregá-lo às autoridades para abate e não deixá-lo nas ruas”, declarou Leung à imprensa local.

Os especialistas da cidade afirmam que não há evidências de que os pets transmitam o coronavírus para humanos — mesmo assim, estabeleceram a rigorosa medida de precaução. Clientes que compraram os roedores na loja afetada serão rastreados e estarão sujeitos a uma quarentena obrigatória.

“Os donos de animais de estimação devem manter uma boa prática de higiene, incluindo lavar as mãos depois de tocar nos animais, manusear seus alimentos ou outros itens e evitar beijar os animais”,  orienta Leung aos que já possuíam os pets antes da descoberta.

Fechamento das lojas

A empresa responsável pela venda dos animais infectados é a Little Boss — os empresários anunciaram o fechamento da loja e de suas filiais para dedetização. Homens com equipamentos de proteção entraram no local enquanto os carros da polícia e da agência agrícola estacionaram do lado de fora.

Hong Kong está coletando amostras de outros animais de estimação, incluindo coelhos e chinchilas, mas apenas os hamsters deram positivo para a Covid-19 até o momento. Todos foram importados da Holanda, segundo a emissora local RTHK.

“É obviamente uma medida drástica, mas uma consequência da regra zero Covid-19. Os hamsters são muito suscetíveis ao Sars-CoV-2 e podem produzir grandes quantidades de vírus” disse Nikolaus Osterrieder, reitor da City University de Hong Kong

Mais lidas
Últimas notícias