Altos níveis de hormônio do estresse estão associados a mortes por Covid-19

Pesquisa foi feita por cientistas do Imperial College, de Londres, com mais de 400 pacientes. Informação pode ajudar no tratamento

atualizado 23/06/2020 5:59

Ilustração coronavírus em fundo vermelhoYanka Romão/Arte Metrópoles

A cada dia, novas informações sobre o coronavírus e a infecção que ele causa são descobertas pela ciência. Pesquisadores do Imperial College, de Londres, na Inglaterra, descobriram, na última semana, que os níveis de cortisol, o hormônio do estresse, nos pacientes de Covid-19 pode ter a ver com o desenvolvimento de quadros mais graves da doença.

Foram observados 535 pacientes — destes, 403 foram diagnosticados com a Covid-19. As pessoas que tinham a doença apresentaram níveis mais altos de cortisol. Alguns participantes apresentaram concentração de até 3.241 nm/L — pacientes saudáveis e descansados costumam ter entre 100 e 200 nm/L, enquanto pessoas que acabaram de passar por uma grande cirurgia costumam chegar a mil.

Entre as pessoas com Covid-19 que morreram, aquelas com menos de 744 nm/L sobreviveram uma média de 36 dias. Naqueles com números maiores que este, a média de sobrevivência caiu para 15 dias.

O estudo foi feito entre 09/03 e 22/04, e cerca de 27% das pessoas diagnosticadas morreram durante o tempo da pesquisa. Os resultados foram publicados na revista científica The Lancet Diabetes & Endocrinology.

“Da perspectiva de um endocrinologista, faz sentido que os pacientes mais doentes tenham altos níveis de cortisol, mas estes números são preocupantes“, afirma o professor Waljit Dhillo, responsável pela pesquisa.

Segundo ele, este pode ser mais um indicador para se prestar atenção quando o paciente chega ao hospital. Se os níveis de cortisol estiverem muito altos, a equipe médica deve se preparar para uma evolução rápida do quadro e atuar o quanto antes para prevenir maiores problemas.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
0

Mais lidas
Últimas notícias