metropoles.com

Tarcísio escanteia secretário que causou desgaste com Lula e empresa da Ucrânia

Secretário de Negócios Internacionais, Lucas Ferraz ficou de fora das agendas de Tarcísio com estrangeiros após crise com empresa da Ucrânia

atualizado

Compartilhar notícia

Mônica Andrade/Governo de SP
secretário lucas ferraz
1 de 1 secretário lucas ferraz - Foto: Mônica Andrade/Governo de SP

São Paulo — Embora tenha escapado da demissão há um mês, após causar desgaste entre os governos Tarcísio de Freitas (Republicanos) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a empresa ucraniana de aviação Antonov, o secretário estadual de Negócios Internacionais, Lucas Ferraz (foto em destaque), foi escanteado pelo governador paulista e sua permanência na gestão ainda é incerta.

Ferraz exerce uma função equivalente à de chanceler no governo, mas Tarcísio deixou o secretário fora de agendas recentes que teve com autoridades estrangeiras.

No último dia 2 de junho, por exemplo, o governador recebeu no Palácio dos Bandeirantes o presidente da Finlândia, Sauli Niinistö, na primeira visita de um chefe de Estado à sede do governo paulista desde que Tarcísio assumiu seu mandato, em janeiro.

O evento cumpriu quase todos os ritos diplomáticos, com tapete vermelho estendido no saguão do palácio e oficiais da Casa Militar perfilados para a recepção de Niinistö. Mas faltou a presença do secretário.

No dia anterior, Tarcísio havia visitado o canteiro de obras da Linha 6-Laranja do Metrô, projeto que está sendo executado pela empresa espanhola Acciona. No local, o governador recebeu a embaixadora da Espanha no Brasil, Mar Fernández-Palacios, além de outros representantes diplomáticos. Novamente, a ausência de Ferraz foi notada.

Crise

O “gancho” teve início em abril, após uma confusão envolvendo Lucas Ferraz, o governo Lula e a Antonov, empresa ucraniana fabricante de aviões.

A pasta de Ferraz disse à CNN Brasil que, no fim de março, havia recebido representantes da Antonov e negociava um investimento de US$ 50 bilhões da empresa em São Paulo para a fabricação de aviões, mas que o projeto havia sido adiado por causa de declarações de Lula sobre a Guerra da Ucrânia.

Na ocasião, enquanto estava na Arábia Saudita, Lula disse que tanto ucranianos quanto russos eram responsáveis pela guerra, o que gerou desgate ao Brasil e reverberou até a reunião do G7, há duas semanas.

Em um primeiro momento, a Antonov, porém, negou que tivesse representantes no Brasil e o vultoso plano de investimentos. Petistas fizeram uma representação contra o secretário Lucas Ferraz ao Ministério Público, colocando o governo Tarcísio em rota de colisão com o governo Lula.

Na sequência, o governador ligou para o presidente da República para esclarecer o mal-entendido e “apaziguar os ânimos”.

Depois, a empresa ucraniana admitiu ter feito “consultas preliminares” ao governo paulista a respeito da possibilidade de instalação de uma fábrica de aviões no estado, sem entrar no mérito de que o plano não iria adiante por causa das declarações de Lula.

A crise, na época, foi vista como “uma série de erros” cometidos por Lucas Ferraz e, segundo auxiliares do governador, outros nomes foram cogitados para assumir o cargo, como o empresário Marcos Troyjo, ex-presidente do Banco do Brics.

Ferraz é um dos nomes “técnicos” do governo Tarcísio. Antes, ele foi secretário de Comércio Exterior no Ministério da Fazenda, na gestão de Paulo Guedes. Sua principal missão é auxiliar o governador a vender o Programa de Parcerias em Investimentos (PPI) a empresários estrangeiros, um plano que visa atrair R$ 180 bilhões até 2026.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSão Paulo

Você quer ficar por dentro das notícias de São Paulo e receber notificações em tempo real?

Notificações