metropoles.com

Com greves de Metrô e CPTM mantidas, SP deve ter 3ª feira de caos

Justiça determinou efetivo máximo para horários de pico em greve marcada para terça (3/10); funcionários da Sabesp também devem paralisar

atualizado

Compartilhar notícia

Fábio Vieira/Metrópoles
Imagem colorida de pessoas pegando ônibus
1 de 1 Imagem colorida de pessoas pegando ônibus - Foto: Fábio Vieira/Metrópoles

São Paulo – A greve conjunta convocada por funcionários do Metrô e da CPTM deve provocar um caos no trânsito da capital paulista nesta terça-feira (3/10).

A paralisação foi marcada em protesto contra o plano de concessões e privatizações do governo Tarcísio de Freitas (Republicanos) e terá adesão de funcionários da Sabesp, a companhia estadual de abastecimento de água e coleta de esgoto.

Juntos, Metrô e CPTM transportam, todos os dias, cerca de 4,2 milhões de passageiros, considerando apenas as linhas administradas pelas duas estatais e que devem ter a operação afetada pela greve.

A previsão é que tanto as linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata, que são do Metrô, quanto as linhas 7-Rubi, 10-Turquesa, 11-Coral, 12-Safira e 13-Jade, que são da CPTM, fiquem paradas.

Durante a última paralisação dos metroviários, no dia 23 de março deste ano, a capital registrou mais de 700 km de congestionamento.

Naquele dia, a prefeitura da capital reforçou a frota de 13 linhas de ônibus que cruzam a cidade. Em dias normais, os ônibus da capital já registram uma média de 7,3 milhões de embarques, segundo a SPTrans.

Contra privatizações

A greve dos funcionários das duas categorias contra os projetos de privatização do governador Tarcísio de Freitas deve durar 24 horas.

No sábado (30/9), Tarcísio criticou a mobilização grevista. “Uma greve sem pauta, uma greve política”, disse. “Não estou fazendo nada de diferente do que eu ia fazer”, completou o governador, destacando que o plano de privatizações foi apresentado na campanha eleitoral de 2022.

O governo defende a desestatização, argumentando que a mudança na administração trará vantagens para a população, com a melhoria dos serviços, antecipação de investimentos e até redução de tarifas.

Os trabalhadores, no entanto, discordam da posição e utilizam o exemplo das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda para contrapor a ideia.

Desde que as duas linhas da CPTM foram concedidas para a ViaMobilidade, elas registraram um aumento significativo no número de falhas e viraram alvo de investigação do Ministério Público.

No caso da Sabesp, os funcionários afirmam que a empresa tem bons resultados — fechou o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 743 milhões —, não onera o estado e tem planos de universalizar o saneamento em pouco tempo, o que, segundo eles, não justificaria uma privatização.

A paralisação nas atividades desta terça-feira é defendida pelo grupo de grevistas como uma maneira de pressionar o governo a recuar nos projetos de desestatização da administração das empresas.

Impacto nas operações

Como alternativa para diminuir o impacto da manifestação nos moradores da região metropolitana, os funcionários da CPTM e do Metrô propuseram trabalhar com catracas liberadas, ou seja, sem a cobrança de passagem para os usuários do transporte público.

Já os trabalhadores da Sabesp asseguram que manterão um efetivo para emergências e que não haverá problema no abastecimento de água.

Na quinta-feira (28/9), no entanto, a juíza Raquel Gabbai de Oliveira, do Tribunal do Trabalho da 2ª Região (TRT-2), recusou a proposta de liberação das catracas nas estações de trem e estabeleceu uma multa diária de R$ 500 mil em caso de descumprimento da decisão.

Além disso, a juíza determinou que a CPTM mantenha efetivo total dos trabalhadores nos horários de pico no dia 3 de outubro e 80% dos funcionários no restante do tempo.

Na sexta-feira (29/9), os grevistas tiveram outro revés. O TRT-2 concedeu liminar ao governo de São Paulo determinando que os metroviários mantenham 100% da operação nos horários de pico.

O desembargador Celso Ricardo Peel Furtado de Oliveira disse que a circulação da frota deve acontecer de forma integral, das 6h às 9h e das 16h às 19h, e com 80% nos demais períodos, sob pena de multa de R$ 500 mil.

No caso da Sabesp, a Justiça determinou a manutenção de 85% do efetivo de trabalhadores vinculados aos setores responsáveis pela prestação dos serviços essenciais de saneamento básico, tratamento e abastecimento de água e esgoto, sob pena de multa diária de R$ 100 mil para cada entidade sindical.

Os sindicatos das três categorias afirmaram ao Metrópoles, na última sexta-feira (29/9), que vão recorrer das decisões e que a greve está mantida.

“A greve é um direito assegurado na Constituição Federal”, afirmou Eluiz Alves, presidente do Sindicato dos Ferroviários de São Paulo.

Presidente do Sindicato dos Metroviários, Camila Lisboa disse que o grupo já buscou a Justiça para reverter a decisão. “Entramos com uma ação questionando essa decisão e sugerindo que, no lugar da greve, a gente possa fazer liberação das catracas”, disse a presidente.

José Faggian, do Sintaema, que representa os funcionários da Sabesp, disse que o grupo tem uma audiência no TRT-2 nesta segunda.

“Vamos argumentar e demonstrar para o tribunal que o que a empresa pede é absurdo, e que faremos a greve com responsabilidade, garantindo o abastecimento de água para a população e o atendimento de eventuais emergências”, disse Faggian.

Protesto dos alunos da USP

Também na terça-feira (3/10), alunos da Universidade de São Paulo (USP) cogitam fazer um “grande ato” na cidade. Os estudantes estão em greve para reivindicar a contratação de mais professores e a ampliação das bolsas de permanência. O protesto, no entanto, ainda não foi confirmado e deve ser decidido em assembleia nesta segunda-feira.

0

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSão Paulo

Você quer ficar por dentro das notícias de São Paulo e receber notificações em tempo real?

Notificações