metropoles.com

Alta do IPCA-15 afasta chance de corte maior de juros, dizem analistas

Economistas e agentes do mercado avaliam que alta da inflação impede queda maior dos juros pelo Copom, para além de 0,5 ponto percentual

atualizado

Compartilhar notícia

Breno Esaki/Metrópoles
Banco Central do Brasil BACEN. Brasília - Metrópoles
1 de 1 Banco Central do Brasil BACEN. Brasília - Metrópoles - Foto: Breno Esaki/Metrópoles

O resultado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial do país, que ficou em 0,28% em agosto, pode fazer com que o Banco Central (BC) diminua o ímpeto na redução da taxa básica de juros (Selic) até o fim do ano.

A elevação dos juros é o principal instrumento dos bancos centrais para controlar a inflação. Atualmente, a Selic está em 13,25% ao ano, depois de uma redução de 0,5 ponto percentual na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom).

O resultado do IPCA-15 representa uma forte aceleração em relação ao mês anterior, quando o IPCA-15 teve deflação de 0,07%, a primeira em 10 meses. Em junho, o índice ficou em 0,04%.

O IPCA-15 veio acima das expectativas do mercado financeiro. O consenso Refinitiv, que reúne as principais projeções, estimava um índice de 0,17%.

O próprio BC indicou que deverá manter o ritmo de corte de 0,5 ponto percentual a cada reunião até o fim do ano, mas havia, no mercado, quem já projetasse reduções de 0,75 ponto percentual. De acordo com economistas e analistas do mercado consultados pelo Metrópoles, esse cenário está praticamente descartado.

“O resultado surpreendeu todo mundo negativamente e, daqui para frente, o acumulado em 12 meses deve seguir sua trajetória expansionista”, afirma Marco Caruso, economista-chefe do PicPay. “Por outro lado, grande parte das surpresas se concentraram em itens de alta volatilidade e a composição segue saudável. Dito isso, esse cenário não contribui para o Copom acelerar o ritmo de corte de juros.”

Para Hugo Queiroz, Sócio da L4 Capital, a prévia da inflação de agosto “merece nossa atenção, pois pode criar um certo ruído em relação à condução da política monetária”.

“Esse aumento nos preços pode levantar questões sobre como o BC vai lidar com a situação. Essa incerteza pode ser vista como especulativa, pois ainda é cedo para determinar como essa inflação pode impactar as decisões de política monetária”, avalia.

André Fernandes, head de renda variável e sócio da A7 Capital, diz que a alta dos núcleos de inflação também foi um dado negativo do IPCA-15.

“O setor de serviços subjacentes voltou a acelerar e isso esvazia apostas de cortes de juros mais agressivos na Selic por parte do Copom, que deve seguir o plano de cortes de 0,5% ao longo das próximas reuniões”, afirma.

“Um dado no IPCA-15 pior que o esperado está provocando ajustes na curva de juros, que, no momento sobe, principalmente a ponta curta e média da curva, que tem maior sensibilidade a mudanças nos cortes da Selic”, explica Fernandes. “Quem apostava em algum corte de -0,75 p.p até o fim do ano pode estar reajustando sua posição.”

0
0

 

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNegócios

Você quer ficar por dentro das notícias de negócios e receber notificações em tempo real?

Notificações