Zelensky propõe boicote geral e Rússia alerta: “Afetaria todo o mundo”

Presidente ucraniano defende mais sanções econômicas e comerciais contra o país liderado por Vladimir Putin e pressiona União Europeia

atualizado 21/03/2022 17:14

Presidente ucraniano, Volodymir Zelensky, em meio à autoridades do governo e primeiros-ministros tcheco e polonês. Ele está sentado e usa traje esportivo em cor militar - MetrópolesUkrainian Presidency / Handout/Anadolu Agency via Getty Images

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, cobrou que a União Europeia aplique sanções econômicas ainda mais duras contra a Rússia. A guerra entra no 26º dia com as negociações de um possível acordo de paz estagnadas.

Nesta segunda-feira (21/3), em pronunciamento gravado, Zelensky sugeriu que os países do bloco suspendam o comércio com a Rússia. O boicote geral seria uma forma de descapitalizar o país comandado por Vladimir Putin.

“Nenhum euro para os ocupantes. Fechem todas as portas, não enviem seus produtos, rejeitem os recursos energéticos”, pediu.

E acrescentou: “Sem comércio com vocês, sem suas empresas e seus bancos, a Rússia não terá mais dinheiro para esta guerra”.

No sábado (19/3), a Polônia propôs à União Europeia que o bloco imponha proibição total ao comércio com a Rússia, disse o primeiro-ministro Mateus Morawiecki, pedindo sanções mais duras a Moscou pela invasão da Ucrânia.

Rússia reage

A Rússia afirma que um possível embargo da União Europeia ao petróleo russo afetaria todo o mundo. O governo estima que o preço do barril ultrapassaria US$ 300.

“Um embargo assim teria influência muito grave no mercado mundial de petróleo, influência negativa no mercado de energia da Europa. Mas os americanos não perderão nada, é evidente, eles se sentirão muito melhores do que os europeus”, afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

A Europa já aplicou sanções contra empresas, bancos, altos funcionários e oligarcas, além de proibir a exportação de produtos para a Rússia. Países do bloco se reúnem para examinar novas medidas contra Moscou.

Peskov salienta, em entrevista coletiva, que “esta é uma decisão que afetaria todo o mundo”.

Negociações estagnadas

A estagnação das negociações para um acordo de paz no Leste Europeu continua impedindo o fim da guerra. Nesta segunda-feira, o governo russo voltou a reclamar da falta de entendimento.

O porta-voz do Kremlin, em entrevista a agências internacionais de notícias em uma teleconferência, admitiu que não houve progresso nas tratativas com o governo ucraniano.

Além disso, descartou possível reunião entre o presidente russo, Vladimir Putin, e o mandatário ucraniano, Volodymyr Zelenskiy.

0

A Rússia acusa a Ucrânia de paralisar as conversações de paz, fazendo propostas inaceitáveis. A Ucrânia disse que está disposta a negociar, mas não se renderá nem aceitará ultimatos russos.

“Para que possamos falar de uma reunião entre os dois presidentes, é preciso fazer o dever de casa. As conversações têm que ser realizadas, e seus resultados têm que ser acordados”, disse Peskov. E emendou: “Não houve nenhum progresso significativo até agora”.

Impactos da guerra

O ministro da Defesa ucraniano, Oleskii Reznikov, apresentou balanço da destruição que a guerra provocou no país desde o início do conflito, em 24 de fevereiro.

Nesta segunda-feira, Reznikov afirmou que o Exército russo destruiu 400 escolas e 110 hospitais. A guerra chegou ao 26º dia.

Além disso, mais de 150 crianças morreram durante o conflito no Leste Europeu. “Eles estão cometendo um ato real de genocídio na Ucrânia”, frisou.

Durante o mesmo evento, o ministro da Defesa britânico, Ben Wallace, defendeu a Ucrânia e pediu para que o presidente russo, Vladimir Putin, admitisse estar errado e deixasse o país.

Mais lidas
Últimas notícias