metropoles.com

Trump se apresenta ao tribunal de NY nesta 3ª; veja o que deve ocorrer

Trump é o primeiro ex-presidente dos EUA a ser indiciado pela Justiça, após escândalo envolvendo suposto suborno de atriz pornô

atualizado

Compartilhar notícia

Chip Somodevilla/ Getty Images
Ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump aparece discursando. Atrás dele estão hasteadas várias bandeiras dos EUA
1 de 1 Ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump aparece discursando. Atrás dele estão hasteadas várias bandeiras dos EUA - Foto: Chip Somodevilla/ Getty Images

O ex-presidente dos Estados Unidos (EUA) Donald Trump se apresenta ao Tribunal Criminal de Manhattan, em Nova York, nesta terça-feira (4/4), para responder às acusações envolvendo um suposto esquema de suborno e falsificação de registros. Segundo os advogados do ex-chefe da Casa Branca, o republicano irá se declarar inocente.

O bilionário desembarcou em Nova York, na tarde dessa segunda-feira (3). Ele passou a noite na Trump Tower, onde aguarda o horário da primeira audiência, prevista para às 14h15 no horário local (15h15, horário de Brasília). Em seguida, Trump deve retornar à Flórida e fará discurso em Mar-a-Lago à noite.

O promotor distrital de Manhattan, Alvin Bragg, convocou o júri em janeiro para investigar o papel de Trump nos pagamentos clandestinos feitos à atriz pornô Stormy Daniels, durante a campanha presidencial de 2016. A quantia estimada em US$ 130 mil (R$ 810 mil) teria sido entregue à Daniels para que ela não revelasse um suposto caso extraconjugal com o ex-presidente.

Na última quinta-feira (30/3), o bilionário foi indiciado após votação do painel do júri, se tornando o primeiro ex-presidente a responder a um processo criminal na história do país. Os detalhes sobre o inquérito devem ser tornados públicos nesta terça (4), em uma etapa do processo para formalização da denúncia.

Trâmite judicial

O indiciamento de Trump foi aprovado por um júri especial, semelhante ao júri popular instituído no Brasil, que não tem o poder de decisão no processo, mas analisa as provas apresentadas e estabelece se há ou não evidências suficientes para dar início ao processo criminal.

Após a decisão, se o réu não se entregar, ele pode ser levado à força pela polícia – o que não deve ser o caso de Trump, uma vez que a equipe de defesa já informou que ele pretende se entregar voluntariamente nesta terça-feira (4).

Após a chegada ao tribunal de Manhattan, serão realizados os trâmites legais para a inclusão do ex-presidente como réu no sistema de Justiça: ele será fotografado e terá as digitais retiradas. A denúncia formal ocorre com uma aparição na Corte, momento em que são lidas as acusações da promotoria e o acusado pode alegar se é inocente ou culpado.

Em seguida, ocorrem as audiências anteriores ao julgamento, nas quais a defesa argumenta para derrubar as acusações ou evidências, pede um cronograma para o juiz e a lista de testemunhas é questionada pelos advogados.

A Justiça americana prevê que os réus se apresentem para um indiciamento e saiam da Corte algemados. No entanto, esse não deve ser o caso de Trump. Durante a negociação para que o ex-presidente se entregue voluntariamente à Justiça, e uma das reivindicações era justamente que o bilionário não saísse algemado.

A promotoria responsável pelo caso e a defesa do ex-presidente negociam as condições para uma eventual prisão, que não deve ocorrer. Como Trump pretende se entregar voluntariamente, o juiz deve considerar que ele não apresenta risco de fuga e, desse modo, ele poderá ir embora livremente após seu indiciamento pagando fiança, se assim for decidido.

Para garantir a segurança da cidade, autoridades de Nova York reforçaram a presença policial desde domingo. Após Trump afirmar que seria preso e convocar protestos, o Departamento de Polícia de Nova York ergueu barreiras de metal ao redor da Trump Tower. Além disso, a polícia bloqueou as vias próximas ao tribunal onde Trump se apresentará.

Entenda o caso

A investigação aponta que Trump teria pago pelo silêncio da atriz pornô Stormy Daniels, na tentativa de encobrir um suposto caso extraconjugal com ela. O valor teria sido maquiado por meio de transações realizadas por Michael Cohen, ex-advogado de Trump, e entregue dias antes de eleição presidencial vencida pelo republicano em 2016.

Em 2018, Stormy Daniels publicou um livro no qual descreveu o suposto caso. Eles teriam se conhecido em um torneio de golfe beneficente, em 2006. A esposa de Trump, Melania, não estava no evento e tinha acabado de dar à luz. O ex-presidente nega ter feito o pagamento ou ter tido relações com a mulher.

Um pagamento em compensação de um acordo de confidencialidade não caracteriza uma infração criminal Estados Unidos. Contudo, a transação teria sido um mês antes das eleições presidenciais, e teria figurado nas contas eleitorais, o que poderia ser considerado uma violação de campanha.

O foco da apuração, porém, não é puramente o pagamento que teria sido feito à atriz. Os promotores investigam os reembolsos feitos pela Organização Trump para o advogado Michael Cohen e possíveis falsificações de registros comerciais, o que é considerado crime. Cohen cumpriu três anos de pena após condenação, em 2018, por irregularidades como evasão de impostos e irregularidades no financiamento de campanha.

Donald Trump é um pré-candidato nas eleições de 2024 e o processo poderá atrapalhar a campanha eleitoral junto ao Partido Republicano. Na tentativa de influenciar os eleitores, o ex-presidente chama as diversas investigações contra ele de “caça às bruxas” e se coloca como vítima de perseguição política e do sistema judiciário norte-americano.

Outros inquéritos

O incorporador imobiliário e ex-apresentador de reality shows também é alvo de outras investigações. Uma delas, que corre na Georgia, é a que apura a suposta tentativa de Trump e aliados de manipular o resultado das eleições presidenciais de 2020, quando o republicano perdeu no estado para o rival democrata Joe Biden.

Uma investigação federal, conduzida pelo Departamento de Justiça dos EUA, investiga o caso dos documentos sigilosos encontrados no resort de Mar-a-Lago, onde Trump vive. O ex-presidente guardava papéis confidenciais mesmo após ter deixado a Presidência.

Trump também pode ser responsabilizado pela invasão do Capitólio em 6 de janeiro de 2021. Na ocasião, o ex-presidente inflamou apoiadores, que invadiram e depredaram a sede do Legislativo americano contra o resultado das eleições.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações