Cirurgias eletivas de 22 especialidades voltam a ser realizadas no DF

Suspensos em 29 de junho de 2020 diante da pandemia do novo coronavírus, os procedimentos foram retomados em fevereiro

As cirurgias eletivas no Distrito Federal voltaram a ser realizadas, em sua totalidade, neste início de fevereiro. Suspensas em 29 de junho de 2020 diante da pandemia do novo coronavírus, as marcações podem ser feitas em 22 especialidades.

De acordo com a Secretaria de Saúde do DF, a decisão de suspender a maioria dos procedimentos foi tomada diante do risco de expor pacientes cirúrgicos ao contágio da Covid-19 e da necessidade de preservação dos insumos de intubação no tratamento dos infectados por ela.

Na ocasião, foram mantidas apenas as intervenções cardiovasculares, oncológicas, os transplantes e as judicializadas – que são aquelas em que o paciente recorre à justiça para garantir a prioridade do atendimento.

Liberação gradativa

A partir de 19 de outubro de 2020, o Governo do Distrito Federal (GDF) liberou, gradativamente, a realização de procedimentos por especialidades. As primeiras, foram as oftalmológicas.

No fim de novembro, as urológicas, ginecológicas e cardiovasculares também passaram a ser autorizadas. Outros procedimentos foram excluídos das proibições nos meses seguintes.

Dados da sala de situação da Secretaria de Saúde apontam que o GDF realizou, entre janeiro e novembro de 2020, ano de decreto da pandemia, 58.625 autorizações para internações cirúrgicas hospitalares.

Em 2019, início da atual gestão e sem risco do novo coronavírus, foram 68.247 cirurgias, de janeiro a dezembro, o maior registro dos últimos seis anos.