metropoles.com

Panatenaico: Via Engenharia é proibida de fechar contratos com governo

Empreiteira que construiu o Mané Garrincha ao lado da Andrade Gutierrez foi penalizada devido a suspeitas de corrupção

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/ Metrópoles
fernando queiroz
1 de 1 fernando queiroz - Foto: Rafaela Felicciano/ Metrópoles

A empreiteira Via Engenharia está proibida de fechar contratos com o poder público. A medida, contudo, não afeta as obras em andamento, como a conclusão das estações do Metrô na 106 Sul e na 110 Sul. A decisão é da juíza Pollyana Kelly Maciel Medeiros Martins Alves, da 12ª Vara Federal no DF, e consta em uma das três ações penais abertas pela magistrada, que aceitou denúncia contra 12 investigados, conforme revelado pelo Metrópoles em primeira mão nesta quarta-feira (25/4). Entre eles, o dono da construtora, Fernando Márcio Queiroz (foto em destaque).

O nome do empresário é citado integrando os três núcleos criminosos, incluindo o terceiro, que se refere a servidores públicos envolvidos nos supostos desvios de recursos públicos do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha.

Além de Queiroz, viraram réus, nesse grupo: o ex-executivo da Via Alberto Nolli; e os ex-presidentes da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) Maruska Lima de Sousa Holanda e Nilson Martorelli.

Todos responderão por associação criminosa, corrupção passiva e ativa, fraude em licitação, desvios de recursos públicos e lavagem de dinheiro.

De acordo com a denúncia, a partir de 2008, a construção do Estádio Nacional de Brasília tornou-se fachada para um esquema de corrupção que englobou agentes públicos e dirigentes das construtoras Andrade Gutierrez e Via Engenharia. No texto, acatado pela juíza Pollyanna Kelly, a prática criminosa envolvia pagamentos de vantagens financeiras, fraudes de processo licitatório e desvios de recursos públicos.

Ação penal contra Maruska Lima, Nilson Martorelli, Alberto Nolli e Fernando Queiroz by Metropoles on Scribd

 

Ainda segundo a denúncia, Maruska e Nolli teriam fraudado a licitação para a construção do estádio, transformando o certame em um “jogo de cartas marcadas” que beneficiou a Andrade Gutierrez e a Via Engenharia.

Tanto Maruska quanto Martorelli solicitaram e receberam, direta e indiretamente, vantagens indevidas por terem direcionado o edital de licitação. A denúncia ainda relata que os dois tentaram maquiar o recebimento de valores pagos em forma de propina por meio de terceiros ou pela prestação de serviços jamais executados. A ex-presidente teria recebido R$ 177 mil, enquanto o colega supostamente embolsou R$ 400 mil.

Procurada, a Via Engenharia não havia retornado os contatos até a última atualização deste texto. A reportagem não localizou os demais citados, para que comentassem as denúncias.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?

Notificações