Ibaneis retira do Detran licitação de semáforos: “Mais transparência”

Contrato passará a ser gerido pela Secretaria de Segurança Pública. Decisão ocorre um dia após a exoneração do diretor-geral, Fabrício Moura

Rafaela Felicciano/MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 10/05/2019 21:44

O polêmico contrato dos semáforos do Departamento de Trânsito (Detran), peça central da queda do ex-diretor-geral Fabrício Moura, será transferido da autarquia para a Secretaria de Segurança Pública. Segundo o governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), o chefe da pasta, Anderson Torres, terá a obrigação de destravar a licitação.

O serviço, atualmente, é gerido por um contrato emergencial com a Sitran, companhia de propriedade de Lourival Ferreira Gomes, irmão do deputado distrital José Gomes (PSB), conforme revelou o Metrópoles nesta sexta-feira (10/05/2019). Rodeado por suspeitas de irregularidades, o documento é objeto de investigação da Controladoria-Geral do Distrito Federal (CGDF).

“A Sitran está dentro do Detran, pelo menos que eu saiba, há 30 anos. Isso certamente é um ambiente que tem de ser modificado. Não estou condenando a empresa de maneira nenhuma. A única coisa que estou dizendo é que nós temos que buscar novos modelos”, ponderou.

Ao anunciar a mudança, Ibaneis também aproveitou para defender a indicação de Alírio Neto (PTB) ao comando do órgão. Desde o anúncio, funcionários públicos do Detran criticam abertamente a escolha do personagem, que não faz parte do quadro de pessoal da autarquia.

Multas
Segundo o emedebista, atualmente o dinheiro das multas não se converte em melhora na educação do trânsito ou na manutenção dos semáforos.

Você encontra resistência das empresas que estão lá dentro e de servidores que não querem essa mudança. Então, nós temos de enfrentar essas dificuldades. Estou trazendo aquela licitação polêmica para dentro da Secretaria de Segurança, exatamente para dar transparência. Nós vamos modernizar essa cidade, independentemente da vontade dos servidores e das empresas

Ibaneis Rocha, governador do DF

“Já que os servidores que estão lá são contra a modernidade, e as empresas que estão lá há muito tempo querem permanecer no passado, porque estão ganhando dinheiro para poder consertar semáforo na rua, nós vamos mudar isso agora. Eu levo para a Segurança, faço a licitação e depois devolvo para o Detran administrar”, explicou.

Sobre a indicação de Alírio, Ibaneis mostrou tranquilidade pela manutenção do novo diretor-geral, mesmo quanto ao processo de improbidade a que ele responde na Justiça. Para o emedebista, a absolvição é certa. “É a resistência de quem não quer a mudança do órgão”, resumiu.

“Faça o questionamento de quem é bem tratado no Detran hoje. Vá para a população, ao usuário e pergunte se eles estão satisfeitos com serviço que é prestado hoje. Eu estou aqui para prestar serviços à sociedade, e os servidores têm de entender que eles são servidores públicos: estão aí para servir ao público e têm de ter consciência que estão servindo mal o público do DF”, arrematou.

A transferência da licitação para a Secretaria de Segurança foi anunciada um dia depois de Ibaneis exonerar Fabrício Moura da direção-geral do Detran. Após denúncias, a concorrência para manutenção e troca de semáforos passou a ser investigada pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).

Servidores
Em nota encaminhada à reportagem, o presidente do Sindicato dos Servidores do Detran-DF (Sindetran-DF), Fábio Medeiros, relatou que acredita haver um equívoco na fala do governador. “Os servidores nunca foram contra a modernização do Detran”, assinalou.

Medeiros destacou que o governador é o responsável pelas nomeações. “Foi o senhor quem colocou as pessoas que estão apressando os trâmites de uma licitação e, consequentemente, gerou um contrato emergencial, que todos sabem que é ruim para a administração pública”, pontuou.

Últimas notícias