*
 

A inflação registrada em agosto no Distrito Federal foi a maior do país, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice (IPCA) chegou a 0,45% contra 0,19% da média nacional. O grande vilão e responsável pela alta na capital federal foi a gasolina, com aumento de 12,26% apenas em um mês.

E a pressão sobre o bolso dos brasilienses na hora de abastecer o carro continua. Apenas nesta semana, o preço passou de R$ 3,89 para até R$ 4,29 nos principais postos da cidade, para pagamento à vista. No acumulado do ano, o DF apresenta inflação acumulada de 1,96% contra 1,62% da nacional. Nos últimos 12 meses, o IPCA foi de 3,99% diante dos 2,46% do restante do país.

O aumento no valor cobrado na bomba teve início após a correção do imposto PIS/Cofins sobre os produtos, anunciado pelo governo federal em julho. Atualmente, os preços praticados ultrapassam itens de uma cesta básica, como um quilo de arroz agulinha, vendido a R$ 3,35 e um quilo de feijão carioca, por R$ 3,49.

O Metrópoles ouviu alguns consumidores nesta quarta-feira (6/9). Todos são unânimes em reclamar dos aumentos, que consideram abusivos. “Gasto R$ 300 para encher o tanque e não dá nem para uma semana. Aumenta muito, o bolso sente e não há como prever”, desabafou Ronei Luiz dos Santos, motorista de 50 anos.

“Estão sem lógica esses aumentos. Não sei como os postos têm calculado para aumentar e diminuir os preços. Fico indignado porque sobe e diminui repentinamente”, questionou Cauê Martins, empresário de 29 anos. “Estou achando absurdo esses preços. Está puxado mesmo. A sorte é que meu carro é econômico”, comentou Leandro Araújo, 25 anos, técnico de áudio e vídeo

 

Os consecutivos aumentos no preço dos combustíveis vêm frustrando os brasilienses, que comemoravam o fim do cartel e a queda drástica dos preços na bomba nos últimos meses. A capital federal, que já teve o valor mais caro para o litro da gasolina, estava entre as três mais baratas do país até julho.

A pressão no orçamento dos moradores do DF que têm carro ocorreu também em função de mudanças frequentes nos preços praticados pela Petrobras nas refinarias. Até o mês de junho, a revisão dos valores ocorria, geralmente, uma vez por mês. Com a nova política, no entanto, essas mudanças passaram a ser feitas quase diariamente.

Cartel de combustíveis
Os consumidores reclamam, ainda, da volta do cartel no setor. Em dezembro de 2015, uma operação da Polícia Federal, batizada de Dubai, desmontou um esquema de combinação de preços entre os postos no DF. À época, donos e funcionários das principais redes atuantes na região foram detidos.

Segundo as investigações, o grupo se organizava para elevar o valor da gasolina em 20% para os consumidores. Além disso, aumentava o preço do álcool para inviabilizar o consumo do combustível nos postos da capital.

Após a operação, a Cascol, responsável por mais de um quarto dos postos de combustíveis do DF, ficou sob intervenção do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) durante um ano. Em abril, a empresa assinou acordo no qual se comprometia a pagar multa de R$ 148,7 milhões por cartel e a cessar a prática anticompetitiva.

 

 

COMENTE

inflaçãoipcagasolina
comunicar erro à redação

Leia mais: Economia