metropoles.com

Criança forçada por madrasta a comer lagartixa recebe alta hospitalar

Após três dias internada por ter sido forçada a comer lagartixa, a criança teve alta do hospital público de Formosa, nessa segunda (13/11)

atualizado

Compartilhar notícia

Material cedido ao Metrópoles
Imagem colorida de uma pessoa deitada em uma maca hospitalar menino foi forçado a comer lagartixa - metrópoles
1 de 1 Imagem colorida de uma pessoa deitada em uma maca hospitalar menino foi forçado a comer lagartixa - metrópoles - Foto: Material cedido ao Metrópoles

Após três dias internada por ter sido forçada a comer lagartixa, uma criança de 11 anos teve alta do hospital público de Formosa, no Entorno do Distrito Federal, na noite dessa segunda-feira (13/11). O menino foi “obrigado” pela madrasta a engolir o animal, o que gerou uma grave infecção no estômago. Ele vai continuar o tratamento em casa.

A internação ocorreu no sábado (11), seis dias após a criança ter ingerido o animal. Ao Metrópoles, a mãe do pequeno informou que tudo aconteceu durante o fim de semana de 4 e 5 de novembro, data em que a criança ficou na casa do pai. Segundo ela, a madrasta do filho e a sogra do ex-marido mataram a lagartixa e obrigaram o menor a comer o bicho.

“Elas contaram ao meu filho que tinham o costume de comer lagartixas no passado e que nada aconteceu. Então, mataram uma [lagartixa] e o obrigaram a comer. Isso no domingo (5/11). No dia seguinte, meu menino começou a passar muito mal. Foi aí que ele contou para minha avó o que tinha acontecido. Ele perguntou se ela [avó] já havia comido lagarto e disse que desde que ingeriu um, começou a passar muito mal”, declarou a mãe.

Segundo a mulher, a informação passada pelo filho foi confirmada pelo pai da criança em conversas no WhatsApp. Nos diálogos, o homem contou que não estava no momento em que o caso aconteceu. Ele havia saído e deixado o menino sob cuidados da companheira e da atual sogra.

Criança internada

À reportagem a mãe narrou que o resultado da “irresponsabilidade da dupla” causou “vômitos incessantes na criança” ao longo da semana, motivo pelo qual a família procurou uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Após a consulta, no entanto, a família foi “mandada” de volta para casa. O mesmo comportamento das equipes da saúde se repetiu uma segunda vez.

Com piora significativa do garoto, a mãe insistiu em um atendimento, dessa vez, em um hospital. Lá, a criança foi diagnosticada com grave infecção intestinal e precisou ser internada, em estado grave.

Conforme relatado pela genitora, o menino passou por acompanhamento, exames e procedimentos para que não houvesse uma piora no quadro. Diante da negligência da madrasta e da mãe dela, um boletim de ocorrência foi registrado.

Agora, a 1ª Delegacia de Polícia de Formosa investiga o caso. Se condenada, a dupla responderá no âmbito do artigo 132 do Código Penal, que diz respeito a expor a vida ou a saúde de alguém a perigo direto e iminente. A pena chega a 1 ano de prisão se o fato não constituir crime mais grave.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?

Notificações