Deixe os tabus do lado de fora e pode entrar. Tudo sobre sexo, para você gozar a vida.

8 mentiras que o pornô te contou (e você provavelmente acreditou)

Sexóloga Amanda Nunes desmente crenças que o consumo de pornografia faz com que as pessoas acreditem ser reais

atualizado 05/07/2020 10:15

Istock

Desde que o mundo é mundo e conta com o audiovisual, a pornografia está presente na vida das pessoas – principalmente dos homens. O consumo de pornô costuma ter início na adolescência e, muitas vezes, ainda na infância.

Mas o que aparentemente ninguém conecta é que assim como um filme de super-herói, os filmes pornô são obras fictícias (ainda que neles ninguém voe ou atravesse prédios). Porém não é assim que as pessoas os vêem, e acabam comparando roteiros pornográficos com a vida real.

Para evitar a frustração de achar que sua vida sexual é bem mais ou menos, a Pouca Vergonha conversou com a sexóloga Amanda Nunes, e a especialista desmentiu oito mentiras que o pornô te contou (e você provavelmente acreditou):

1 – O pornô heterossexual trata apenas (e somente) do prazer masculino

“As posições, formas de estímulo e praticamente tudo é voltado para as fantasias e prazeres apenas do homem. Logo, se você realmente quer satisfazer a sua parceira, o filme pornô não é o melhor conselheiro, e pode te deixar frustrado ao perceber que os relacionamentos reais precisam de mais dedicação para alcançar a plenitude sexual do que o que se mostra na telinha”.

2 – Ânus e vaginas não são lisinhos e rosados; e nem todo pênis é gigante

“Entenda que da mesma forma que as novelas e propagandas ditam os padrões de beleza da sociedade, o pornô dita os padrões dos genitais, pênis enormes e vigorosos, ânus e vaginas lisinhas e rosados. Mas a realidade é que nada disso é importante para o prazer, e que a figura apresentada neste filme, que é de ficção, não representa a grande maioria das pessoas. Existem pênis e vagina de todo o tipo e formato, e, acredite, não tem nada de errado com você caso não esteja dentro dos “padrões” do pornô”.

3 – O squirt não é um jato de mangueira com alcance de 2 metros

“Muitas das cenas de mulheres fazendo squirt em pornô são fakes, são montagens para enaltecer o evento. O squirt pode ocorrer, geralmente é um líquido transparente com cerca de 150ml, mas nem sempre é um jato. Muitas vezes a mulher só observa uma grande quantidade de líquido na cama e até pode pensar que foi xixi. Um fato muito importante é que nem toda mulher é squirter, não é algo que se aprende a fazer”.

4 – Ereções de três horas seguidas e baldes (e baldes) de sêmen

“As fantasias estimuladas pelo pornô intensificam o pensamento de que quanto maior o pênis, mais viril, mais potente, mais macho e mais ‘homem’ se é. Tamanha é a obsessão criada em torno dessa fantasia que não é à toa que o Brasil é campeão na venda de Cialis e Viagra. O uso excessivo desses medicamentos, utilizado principalmente por jovens, podem causar sérios danos, além de que, não é necessário um pinto enorme e superpotente para dar prazer e fazer a parceira gozar várias vezes”.

5 – O sexo anal não é tão espontâneo e simples assim

“A questão sobre esse mito é que os homens aprenderam que é uma prática fácil e simples, basta colocar a mulher na posição de 4 e meter. Em contrapartida, as mulheres aprenderem que no ânus só sai e nada entra, que doí e que a prática não é natural. Tá aí a grande dificuldade na relação anal, vários mitos a serem superados. Homens: para a parceira sentir prazer, é necessário muito estímulo no clitóris, ela tem que estar muito excitada e relaxada, e claro, somente se ela quiser de verdade essa experiência vai ser prazerosa, então conversem (de verdade) sobre o assunto”.

6 – A garganta profunda

“Um dos fetiches dos homens, estimulados pelas cenas do pornô, é ver a mulher literalmente engolindo tudo no sexo oral. Apesar de parecer fácil, não é bem assim que funciona. Algumas técnicas podem ajudar, porém existem limitadores físicos, e forçar pode machucar tanto o homem quanto a mulher. Então ajuste a prática conforme a sua capacidade. O segredo do oral é fazer com vontade e não por performance”.

7 – 1001 posições na mesma transa

“Haja disposição! Claro que variar nas posições e estímulos é maravilhoso. Só não precisa fazer todas as posições do kama sutra em uma única transa. Use a criatividade, sinta que cada transa é única. Não precisa fazer tudo o que imaginou e fantasiou de uma só vez. Curta o momento e não se preocupe com o tempo de cronômetro. Foque na qualidade e faça cada minuto valer a pena”.

8 – Nem todo sexo precisa terminar em ejaculação para ser bom

“No ciclo de resposta sexual humana, a satisfação não é apenas física, é emocional também. Logo, você ou seu parceiro (a) podem sentir-se realizados em uma transa, mesmo sem ocorrer a ejaculação ou orgasmo”.

Últimas notícias