metropoles.com

Após 7 anos, Fachin nega prorrogar caso Odebrecht contra Renan e Jucá

Renan e Jucá são investigados no STF desde março de 2017 por suposto recebimento de propina da empreiteira baiana

atualizado

Compartilhar notícia

Waldemir Barreto/Agência Senado
O senador Renan Calheiros, do MDB de Alagoas, e o ex-senador Romero Jucá, do MDB de Roraima
1 de 1 O senador Renan Calheiros, do MDB de Alagoas, e o ex-senador Romero Jucá, do MDB de Roraima - Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Caciques poderosos do Congresso nas últimas décadas, o senador Renan Calheiros, do MDB de Alagoas, e o ex-senador Romero Jucá, do MDB de Roraima, vivem atualmente situações políticas muito distintas.

Em seu quarto mandato de senador, Renan é um dos principais aliados de Lula no Congresso, líder da maioria no Senado e tem o filho, Renan Filho, como ministro dos Transportes do petista. Embora circule com desembaraço nos bastidores da capital, Jucá não tem mandato desde o começo de 2019 e foi rejeitado pelos roraimenses em sua última tentativa de voltar ao Congresso, candidatando-se ao Senado em 2022.

Apesar dos rumos políticos diferentes nos últimos anos, a estreita relação entre os dois emedebistas dos tempos em que foram colegas de Senado ainda tem um desdobramento no Supremo Tribunal Federal. Tramita há quase 7 anos na Corte um inquérito que investiga Renan e Jucá pelo suposto recebimento de R$ 5 milhões em propina da Odebrecht.

Aberta em março de 2017, a partir de delações premiadas de ex-executivos da empreiteira baiana, a investigação apura se o dinheiro foi destinado a Jucá, em nome dele e de Renan, em troca da aprovação da Medida Provisória 627, de 2013, que dava benefícios fiscais a empresas com atuação no exterior.

Desde que começou a tramitar no STF, sob relatoria do ministro Edson Fachin, o inquérito já teve o prazo de conclusão esticado 14 vezes pelo ministro, a pedido da Polícia Federal e com concordância da PGR. Ao despachar as mais recentes prorrogações, Fachin vinha cobrando os investigadores a chegarem a uma conclusão, em nome do “postulado constitucional da duração razoável do processo”.

Até que, ao analisar solicitação mais recente para estender o inquérito por mais 60 dias, feito na semana passada pelo procurador-geral da República, Paulo Gonet, Fachin negou conceder mais esse tempo ao caso.

O ministro citou que a apuração já dura quase 7 anos e disse ser “desnecessária” a nova prorrogação. Diante do interesse da PGR em diligências pendentes, o ministro ordenou que a PF encaminhe as conclusões em até 15 dias. Depois disso, ele quer que o processo seja enviado à PGR para “manifestação conclusiva”.

De Janot a Gonet

De tão antigo, o inquérito contra a dupla já passou pelas mãos de quatro procuradores-gerais da República: Rodrigo Janot, nomeado à PGR pela ex-presidente Dilma Rousseff, autor do pedido de abertura da investigação; Raquel Dodge, sucessora de Janot no governo Michel Temer; Augusto Aras, o procurador-geral conduzido e reconduzido ao cargo por Jair Bolsonaro; e Paulo Gonet, nomeado por Lula à PGR.

A conta chega a seis chefes da PGR se levadas em consideração as gestões interinas de Alcides Martins, que ocupou o cargo durante oito dias de setembro de 2019, entre Raquel Dodge e Augusto Aras; e de Elizeta Maria de Paiva Ramos, procuradora-geral de setembro a dezembro 2023, período entre a saída de Aras e a posse de Gonet.

Em agosto de 2022, a PF chegou a apresentar relatório sem atribuir crimes a Renan Calheiros e Romero Jucá, alegando falta de provas e a impossibilidade de analisar todo o material da investigação até o prazo final dado por Fachin – o ministro havia indicado que aquela seria a “derradeira” extensão do inquérito.

A então vice-procuradora-geral da República, Lindôra Maria Araújo, braço direito de Aras, contudo, pediu que a investigação continuasse e foi atendida por Fachin.

Na última quarta-feira (7/2), foi a vez de Gonet solicitar ao relator mais uma prorrogação do inquérito, por 60 dias.

O procurador-geral da República citou relatos da PF de que ainda restam diligências pendentes, como respostas de ofícios enviados a sete hotéis de São Paulo para identificação de supostos recebedores da propina. Segundo o delator Álvaro Novis, doleiro encarregado pela Odebrecht de entregar o dinheiro a intermediários de Jucá, os valores foram pagos a dois homens, “Sinval” e “Alvaro”.

Desta vez, no entanto, Edson Fachin barrou o pedido e determinou que a PF encaminhe as respostas dos ofícios aos hotéis em até 15 dias. “Com as informações, encaminhem os autos à PGR para que apresente manifestação conclusiva”, decidiu.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comGuilherme Amado

Você quer ficar por dentro da coluna Guilherme Amado e receber notificações em tempo real?

Notificações