metropoles.com

TSE vai julgar Bolsonaro e Braga Netto por suposta campanha no 7/9

A Corte Eleitoral marcou data para julgar mais duas ações contra Bolsonaro e seu vice nas eleições de 2022

atualizado

Compartilhar notícia

Presidência da República
Bolsonaro Médicos Pelo Brasil
1 de 1 Bolsonaro Médicos Pelo Brasil - Foto: Presidência da República

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) marcou julgamento de mais duas ações contra Jair Bolsonaro (PL) e seu vice nas eleições, Walter Braga Netto, por possível abuso de poder e conduta vedada ao agente público do ex-presidente nas comemorações de 7 de setembro de 2022. As sessões para os novos julgamentos começam em 24 de outubro.

As ações são de autoria do Partido Democrático Trabalhista (PDT) e da senadora Soraya Thronicke (Podemos), que também concorreu nas eleições de 2022 ao cargo de presidente.

Os autores acusam Bolsonaro e seu então vice de se aproveitarem das cerimônias oficiais de 7 de Setembro para realizar campanha eleitoral.  “Na medida em que se favoreceu das verbas públicas, do pessoal e material da União nesses eventos, teria praticado também conduta vedada”, diz o processo.

A acusação diz ainda que Bolsonaro e diversos aliados veicularam diversos posts convocando a população a comparecer nos eventos relacionados ao dia 7 de Setembro, com mensagens que deixariam “bastante claro que sua convocação não era para o povo brasileiro comemorar o bicentenário da independência, mas para demonstrar a força de sua plataforma político-eleitoral”.

Neste domingo (15/10), a Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE) manifestou-se a favor de condenar, novamente, Jair Bolsonaro (PL) e torná-lo inelegível. O parecer é do procurador-Geral Eleitoral, Paulo Gustavo Gonet Branco.

Requisitos

No parecer, Gonet Branco afirmou que Bolsonaro “preenche todos os pressupostos para a aplicação da pena de inelegibilidade”.

Ainda de acordo com Gonet, há provas suficientes de que o ex-presidente realizou “desvio de finalidade no uso da estrutura da administração para obter vantagem eleitoral, elemento do tipo de abuso de poder político”.

Braga Netto

Já em relação à Braga Netto, o vice-procurador definiu que “não há prova da participação do candidato a Vice-Presidente Walter Braga Neto nos fatos narrados, nem da sua anuência a eles”.

Por isso, o procurador entendeu que o candidato à vice de Bolsonaro não pode sofrer a pena da inelegibilidade pelo abuso de poder político.

Bolsonaro inelegível

Bolsonaro já está inelegível por oito anos, a contar de 2022. Em junho deste ano, o ex-mandatário foi condenado, com o placar de 5 a 2, pelos ataques que fez ao sistema eleitoral brasileiro durante reunião com embaixadores, em julho de 2022.

O TSE entendeu que houve abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação neste caso.

A Corte analisa ainda outros processos contra o ex-presidente, três começaram a ser julgadas na última terça-feira (10/10). Eles apuraram a ocorrência de ilícito supostamente perpetrado em decorrência do desvio de finalidade, em proveito de candidaturas de aliados, nas lives tradicionalmente realizadas por Bolsonaro nas dependências dos palácios da Alvorada e do Planalto, bens públicos destinados ao uso do presidente da República.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações