*
 

Indicado para substituir Leandro Daiello, diretor-geral da Polícia Federal mais longevo do período democrático, o delegado Fernando Segovia rechaça a possibilidade de pressões políticas interferirem nas investigações em andamento, promete dar mais velocidade aos inquéritos contra políticos e afirma ter como meta de gestão a unificação da corporação responsável pelas maiores operações de combate à corrupção do Brasil.

Segovia falou ao jornal O Estado de S.Paulo na sede da PF, em Brasília, na tarde desta terça-feira (14/11).

O novo diretor da PF negou indicação política de seu nome para o cargo e disse que não tem relação com o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) e com o ex-presidente José Sarney, ambos do PMDB. Sobre o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Augusto Nardes, o delegado afirmou que a relação se deu por causa de um convite para criação de um gabinete de segurança institucional na corte.

Sobre a gestão na PF, o delegado disse que pretende dar um “upgrade” na equipe que cuida dos inquéritos de políticos para que eles tenham a mesma velocidade das investigações conduzidas na primeira instância. “Como há essa demanda reprimida dentro do STF (Supremo Tribunal Federal) e a necessidade que se tragam essas investigações na mesma velocidade das outras, talvez haja necessidade de reforço nessas investigações.”

O sr. é apontado como apadrinhado do ministro Eliseu Padilha, do ex-senador José Sarney e do ministro do TCU Augusto Nardes. Qual sua relação com eles?
Não tenho relação nenhuma nem com o ministro Padilha nem com o ex-presidente Sarney. O ministro Nardes conheci em missão na África do Sul. Como eu era adido policial foi pedido que eu fizesse trabalho de apoio e segurança. Quando a gente voltou ao Brasil o ministro conversou com o Leandro Daiello sobre a possibilidade de eu ajudar no TCU para que fosse feito lá um gabinete de segurança institucional. O ministro Padilha eu não conheço pessoalmente. Conheci no Palácio do Planalto quando teve a confirmação da indicação. Dizer que eu sou apadrinhado do Sarney, eu não o conheci em momento algum quando estava no Maranhão, encontrei com ele uma única vez aqui em Brasília.

Mas sua indicação é apontada como política.
Até eu fiquei intrigado para saber como foi essa construção toda O doutor Daiello, que estava querendo a transição, porque estava cansado, resolveu mandar uma lista para o ministro da Justiça com os nomes dos delegados que poderiam suceder-lhe. O Daiello colocou primeiro os da sua diretoria, depois superintendentes regionais e, por fim, adidos policiais. Fui o 9 º nome da lista que foi parar no Ministério da Justiça.

O sr. credita a quem as afirmações sobre seu apadrinhamento?
Eu credito a pessoas que não queriam me ver sentado aqui como diretor da PF.

O que o ministro Torquato Jardim disse ao senhor?
Ele quer o fortalecimento da PF como um todo, interna e externamente. Principalmente uma projeção maior da PF no cenário internacional, porque o crime transacional tem de ser combatido com mais força.

Como foi seu encontro com o presidente Michel Temer?
O presidente queria conversar sobre alguns temas da PF. A ideia é que a PF cumpra fielmente a Constituição e as leis. A gente percebe que algumas investigações da PF tiveram alguns desvios nas linhas investigativas. Alguns delegados tiveram desvios no sentido, eu diria, até político-partidários. Então há uma necessidade muito grande que a PF tenha um trabalho muito profissional.

Pode haver intervenção?
Digo, com toda sinceridade, que hoje todas as operações são blindadas.

Na Lava Jato houve algum tipo de atuação político-partidária?
Existem rumores, especialmente, de um grampo na época do (Alberto) Youssef e parece que a PF tem investigações na Corregedoria. Mas todas essas suposições estão sendo averiguadas Qualquer desvio de conduta de delegado nosso nós faremos averiguação.

O senhor disse que pretende dar um ‘upgrade’ nas investigações de pessoas com foro…
Como há essa demanda reprimida no STF e a necessidade de que se tragam essas investigações na mesma velocidade das outras, talvez haja necessidade de reforço nessas investigações. Vamos sentar com o doutor Eugênio Ricas (novo diretor de Combate ao Crime Organizado), e ele que vai fazer essa análise. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

 

COMENTE

Polícia FederalFernando Segóviadiretor PF
comunicar erro à redação