metropoles.com

HIV: Ministério da Saúde incorpora três medicamentos para tratamento

As novas opções, de acordo com o ministério, são menos tóxicas, mais potentes e mais adequadas às crianças

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/Getty Images
Foto de vários blisters de remédios coloridos - Metrópoles - remédio sem receita
1 de 1 Foto de vários blisters de remédios coloridos - Metrópoles - remédio sem receita - Foto: Reprodução/Getty Images

O Ministério da Saúde incorporou três novos medicamentos ao Sistema Único de Saúde (SUS) para tratamento de pacientes que vivem com o vírus do HIV. Os remédios são o Darunavir 800 mg , o Dolutengravir 5 mg e o Raltengravir 100 mg granulado.

O uso dos medicamentos ajuda a a evitar o enfraquecimento do sistema imunológico dos pacientes. “O uso regular dos antirretrovirais é fundamental para aumentar o tempo e a qualidade de vida das pessoas que vivem com HIV e reduzir o número de internações e infecções por doenças oportunistas”, explica a pasta em nota.

De acordo com Beatriz Kamiensky, especialista do Departamento de HIV/Aids, Tuberculose, Hepatites Virais e Infecções Sexualmente Transmissíveis do Ministério da Saúde, os três medicamentos aprovados têm “formulação mais adequada às crianças, com maior comodidade posológica, maior potência e com menor toxicidade”.

Em portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU), a Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Complexo da Saúde do ministério detalha a utilização de cada um dos remédios aprovados:

  • Darunavir 800 mg: destinado a pacientes vivendo com HIV, em falha virológica ao esquema de primeira linha (primeiros medicamentos usados) e sem mutações que indiquem resistência ao fármaco;
  • Dolutegravir 5 mg: indicado como tratamento complementar ou substituto em crianças de dois meses a seis anos de idade. O medicamento se apresenta em forma de comprimidos dispersíveis;
  • Raltengravir 100mg granulado: indicado para profilaxia da transmissão vertical em crianças com alto risco de exposição ao HIV. Considera-se de alto risco todas as crianças nascidas de mães que vivem com HIV e devem receber antirretroviral (ARV) como medida profilática para transmissão vertical.

A partir da publicação das portarias, o Ministério da Saúde tem 180 dias para efetivar a oferta dos medicamentos no SUS.

Primeira injeção preventiva aprovada na Anvisa

Em 10 de junho, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o registro de medicamento Cabotegravir, injetável utilizado contra o HIV. O remédio é uma profilaxia pré-exposição (PrEP), ou seja, é utilizado para prevenir infecções.

O medicamento será comercializado pela farmacêutica britânica GSK, que apresentou o pedido, mas ainda não há previsão para chegar ao mercado. O Cabotegravir será comercializado sob o nome Apretude.

O medicamento já foi aprovado em 2021 pela Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos Estados Unidos. No ano passado, o Cabotegravir também foi recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Atualmente, a PrEP está disponível no SUS de forma oral, com comprimidos de uso diário. A nova injeção é vista como mais efetiva na prevenção, uma vez que requer duas aplicações no início do tratamento e reforço depois de dois meses.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações