*
 

Os 142 presos na operação da Polícia Civil que desarticulou uma milícia que atuava em Santa Cruz, zona oeste do Rio, no sábado (7/4), foram transferidos para a Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte do Rio.

O local, onde também estão os presos da versão carioca da Lava Jato, tem uma ala que funciona como “porta de entrada” do sistema penitenciário fluminense e onde é feita a triagem dos detentos. De lá, de acordo com a Polícia Civil, os milicianos serão levados para prisões que integram o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste do Rio.

A operação foi considerada pelo diretor do Departamento Geral de Polícia Especializada, Marcus Vinícius Braga, como a maior realizada de combate às milícias da história da Polícia Civil. A ação prendeu a quadrilha durante uma festa com música e até pulseirinhas vip no Sítio Três Irmãos, na madrugada de sábado (7/4). Houve confronto entre os policiais e criminosos, com intenso tiroteio. Foram mortos quatro suspeitos. Eles atuariam como “seguranças” da quadrilha.

Entre os presos estão dois soldados do Exército, um da Aeronáutica, um bombeiro militar e sete menores. Também foram apreendidos 13 fuzis, 15 pistolas, quatro revólveres, uma réplica de fuzil, algemas, simulacros de fardas, carregadores, uma granada e dez carros roubados. Inicialmente, a Polícia Civil divulgara ter apreendido 25 fuzis, mas o número depois foi corrigido pela corporação.

A operação foi realizada por agentes da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) e da 27ª (Vicente de Carvalho) e 35ª (Campo Grande) Delegacias de Polícia. Segundo informações da Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Segurança, entre 2006 e o primeiro trimestre de 2018, 1.387 pessoas supostamente ligadas a milícias foram presas no Estado do Rio.

Em entrevista na Cidade da Polícia, no bairro do Jacaré, na zona norte, o secretário de Segurança, general Richard Nunes, deu parabéns aos policiais que participaram da operação. Ele afirmou que operações semelhantes estão sendo planejadas e serão executadas em curto prazo.

 

 

COMENTE

Segurançapresos
comunicar erro à redação

Leia mais: Brasil