Bolsonaro comemora pacto entre os 3 Poderes: chance de fazer história

Acordo a favor de pautas da gestão atual foi firmado entre os presidentes do Executivo, Judiciário e Legislativo na terça-feira (28/05/2019)

atualizado 30/05/2019 12:44

Foto: Igo Estrela/Metrópoles

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) segue tentando melhorar as relações com líderes dos poderes Legislativo e Judiciário. Após firmar um “pacto” em favor da reforma da Previdência com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, o líder do Executivo agradeceu o acordo e firmou ser uma nova chance para “fazer história” no país.

“Nós do governo, juntamente com os presidentes da Câmara, do Senado e do STF, parlamentares, ministros e autoridades, temos oportunidade ímpar de fazer história ao lado da população brasileira”, escreveu o presidente Bolsonaro, no Twitter, na manhã desta quinta-feira (30/05/2019). Para o presidente, a ocasião é capaz de levar o Brasil a um patamar maior. “Estamos muito próximos de colocar nosso amado país de vez no caminho da prosperidade”, completou.

Por fim, o presidente pediu apoio  divino para comandar o país. “Temos tudo para dar certo. Peço a Deus para que tenhamos cada vez mais consciência e sabedoria para realizarmos as mudanças necessárias, que gerarão bons frutos no presente e, principalmente, no futuro”, destacou.

Pacto pela reforma
Fruto de um desejo do presidente, que já havia comentado sobre a intenção de fazer um acordo em entrevistas a programas de TV, o pacto foi firmado – e confirmado pelo porta-voz da presidência da República, Otávio Rêgo Barros – entre os líderes dos poderes Executivo, Judiciário e Legislativo como tentativa de fazer avançar as pautas consideradas prioritárias no país.

O acordo acontece dois dias após as manifestações em apoio à gestão do governo Bolsonaro. No domingo (26/05/2019), manifestantes de várias cidades do país foram às ruas reivindicarem, por exemplo, apoio às reformas da Previdência e Administrativa.

Na terça-feira (28/05/2019), no mesmo dia da reunião entre os líderes dos três poderes, o Senado aprovou a reforma administrativa (MP 870). No entanto, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) saiu das mãos do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e retornou ao guarda-chuva de Paulo Guedes, no Ministério da Economia.

Últimas notícias