metropoles.com

Anielle defende cotas para negros no governo e nega demissões

Ato determina que negros ocupem pelo menos 30% dos cargos de confiança do governo federal. Pastas terão até 2025 para alcançar pencentual

atualizado

Compartilhar notícia

Fábio Vieira/Metrópoles
Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, em São Sebastião
1 de 1 Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, em São Sebastião - Foto: Fábio Vieira/Metrópoles

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, defendeu, nesta terça-feira (28/3), o decreto que reserva pelo menos 30% das vagas dos cargos em comissão e função de confiança na administração pública federal sejam ocupados por negros.

Segundo Anielle, desde que o ato foi editado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), na semana passada, servidores do governo passaram a questionar se seria preciso demitir servidores para realizar a alocação de pessoas negras.

“Não, a gente não quer demitir ninguém, a gente quer é fazer com que a gente saia de 1,3% de mulheres negras e pessoas negras, e que a gente tenha as oportunidades merecidas. Isso é reparação histórica. […] Eu falei para o presidente Lula. Não tem gasto orçamentário. A gente tem, sim, uma reparação histórica, e o ganho político é inenarrável”, afirmou durante agenda com prefeitas, em Brasília.

Entenda o decreto

Segundo o ato editado pelo governo federal e que já está em vigor, a administração pública federal terá até 31 de dezembro de 2025 para alcançar os percentuais mínimos. Os ministérios da Igualdade Racial e da Gestão vão estabelecer metas intermediárias para que o percentual seja alcançado.

A medida engloba cargos e funções comissionadas de órgãos e entidades da administração pública federal, o que inclui, por exemplo, todos os ministérios da Esplanada. Nas siglas oficiais, são os Cargos Comissionados Executivos (CCE) e Funções Comissionadas Executivas (FCE).

Os cargos e funções comissionadas são também definidos como posições “de confiança” por serem responsáveis por atividades de direção, liderança e assessoramento. A quantidade desses postos varia entre os diferentes órgãos do Executivo.

A nova política de preenchimento distingue os níveis mais baixos dos mais altos, estabelecendo o percentual de 30% para ambos, de forma a evitar que os cargos do topo continuem ocupados apenas por pessoas brancas.

O decreto contempla pessoas que se autodeclaram como pretas ou pardas e que possuem traços visíveis de aparência que as caracterizam como pessoas negras.

Em caso de denúncias ou suspeitas de irregularidades na autodeclaração, a norma estabelece que será “constituída comissão de heteroidentificação [identificação por outras pessoas] para apuração dos fatos, respeitado o direito à ampla defesa”.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações