metropoles.com

Oposição atua para dificultar aprovação de PL das Fake News

PL das Fake News foi aprovado pelo Senado em 2020 e está parado na Câmara dos Deputados

atualizado

Compartilhar notícia

Hugo Barreto/Metrópoles
Plenário da Câmara dos Deputados, onde será votada em segunda instância a PEC - metrópoles
1 de 1 Plenário da Câmara dos Deputados, onde será votada em segunda instância a PEC - metrópoles - Foto: Hugo Barreto/Metrópoles

Conhecido como PL das Fake News, o projeto de lei 2630/20, que tramita na Câmara dos Deputados, voltou a ser alvo da oposição. A proposta busca regular a atividade de plataformas de mídias sociais e combater a disseminação de notícias falsas no ambiente digital.

O tema é defendido pela base governista, mas se tornou alvo da oposição, que pretende dificultar a aprovação do PL na Casa. Como argumento, deputados defendem que a medida pode colocar em risco a “liberdade de expressão” no país.

As críticas ao projeto foram endossadas por parlamentares do Partido Liberal em reunião da bancada da Câmara na última quarta-feira (1º/3). Após o encontro, o grupo reafirmou ser “contrário à regulação das mídias” e defendeu a “liberdade de expressão ampla e restrita nas redes sociais”.

 “Nós já vivemos um cenário de censura no Brasil, onde os números falam por si só. Aumentar ainda mais a penalidade para quem expor suas opiniões não é o correto”, defende o deputado Zé Vitor (PL-MG), líder da Frente Parlamentar Mista da Economia e Cidadania Digital.

O que o texto prevê?

De autoria do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), o PL 2630/2020 visa instituir a Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet.

A proposta passou a ser chamada de PL das Fake News por ter como principal objetivo evitar a disseminação de notícias falsas em redes sociais (como Facebook e Twitter), aplicativos de mensagens privadas (como WhatsApp e Telegram), e ferramentas de busca  (como o Google).

As regras são válidas para provedores que têm mais de dois milhões de usuários registrados. Empresas estrangeiras que ofertam serviços ao Brasil também serão enquadradas pela legislação.

O texto veda o funcionamento de contas falsas e dos perfis automatizados (robôs) não identificadas como tal para os usuários. As empresas deverão desenvolver políticas que limitem o número de contas controladas pelo mesmo usuário, além de identificar perfis gerenciadas por robôs. Outra medida que consta no projeto é o controle do envio de mensagens em massa.

10 imagens
As fake news são conhecidas pelo poder viral que têm; ou seja, espalham-se rapidamente, principalmente em tempos de eleição e vacinação, por exemplo. O objetivo dessas falsas informações é manipular o leitor para que, dessa forma, ele a consuma sem se preocupar em confirmar se é verdade ou não
Outro aspecto muito comum nas fake news é o apelo para com pessoas que têm baixa escolaridade e que se informam, principalmente, pelas redes sociais. Apesar disso, não é incomum que pessoas com mais estudos também sejam persuadidos, uma vez que conteúdos falsos apresentam intensivo viés político
Para não cair e não compartilhar fake news, sempre verifique as fontes que constam na informação. Se após realizar uma procura no Google, por exemplo, a fonte não se sustentar, não apresentar respaldo ou só ter sido mencionada na matéria em questão, esse é um mau sinal
Notícias precisam ter datas. Existem informações que foram dadas como verdadeiras no passado, mas não necessariamente representam o momento atual. Portanto, não se deixe enganar por matérias antigas que, por algum motivo, voltaram a circular. 
Isso é perigoso
Desconfie da informação se ela apresentar posicionamento extremo, acusatório e radical. Informações verídicas têm como base dados oficiais, apresentam mais de um ponto de vista e estão abertas ao contraditório. Fakes news costumam ser ferrenhas na defesa de uma questão e na recusa a ouvir o outro lado da história. Na verdade, o ataque é um ponto comum nas informações falsas
1 de 10

Fake news são informações falsas vinculadas em meios de comunicação com o intuito de legitimar um ponto de vista e prejudicar iniciativas, grupos específicos ou pessoas específicas

Nipitphon Na Chiangmai / EyeEm/ Getty Images
2 de 10

As fake news são conhecidas pelo poder viral que têm; ou seja, espalham-se rapidamente, principalmente em tempos de eleição e vacinação, por exemplo. O objetivo dessas falsas informações é manipular o leitor para que, dessa forma, ele a consuma sem se preocupar em confirmar se é verdade ou não

tommy/ Getty Images
3 de 10

Outro aspecto muito comum nas fake news é o apelo para com pessoas que têm baixa escolaridade e que se informam, principalmente, pelas redes sociais. Apesar disso, não é incomum que pessoas com mais estudos também sejam persuadidos, uma vez que conteúdos falsos apresentam intensivo viés político

FilippoBacci/ Getty Images
4 de 10

Para não cair e não compartilhar fake news, sempre verifique as fontes que constam na informação. Se após realizar uma procura no Google, por exemplo, a fonte não se sustentar, não apresentar respaldo ou só ter sido mencionada na matéria em questão, esse é um mau sinal

sorbetto/ Getty Images
5 de 10

Notícias precisam ter datas. Existem informações que foram dadas como verdadeiras no passado, mas não necessariamente representam o momento atual. Portanto, não se deixe enganar por matérias antigas que, por algum motivo, voltaram a circular. Isso é perigoso

tommy/ Getty Images
6 de 10

Desconfie da informação se ela apresentar posicionamento extremo, acusatório e radical. Informações verídicas têm como base dados oficiais, apresentam mais de um ponto de vista e estão abertas ao contraditório. Fakes news costumam ser ferrenhas na defesa de uma questão e na recusa a ouvir o outro lado da história. Na verdade, o ataque é um ponto comum nas informações falsas

Igor Stevanovic / Getty Images
7 de 10

Outra forma bem simples de identificar uma fake news é conferir se veículos sérios de comunicação também deram a notícia. Se a informação estiver apenas em um local ou em locais desconhecidos, desconfie

Constantine Johnny/ Getty Images
8 de 10

Além disso, jamais se informe apenas pelo título. É comum que chamadas para matérias sejam pensadas para atrair a atenção do leitor. Contudo, o título não carrega todas as informações. Para ter certeza do que trata o conteúdo, não deixe de ler toda a reportagem

FilippoBacci/ Getty Images
9 de 10

Antes de acreditar ou compartilhar uma informação, apure-a de todas as formas que puder e tenha em mente que as fake news se alimentam de compartilhamento. Ao criar ou repassar uma informação mentirosa, você se torna cúmplice e pode ser responsabilizado pelo feito. Cuidado!

Peter Dazeley/ Getty Images
10 de 10

O E-Farsas, Agência Lupa, Fato ou Fake e Projeto Comprova são sites de fact-checking onde profissionais qualificados trabalham arduamente para verificar informações e, com certeza, podem ajudar na hora de verificar se um conteúdo é verdadeiro ou falso

studiostockart/ Getty Images

A proposta também permite que a empresa desative imediatamente contas ou o conteúdos que verifiquem risco de dano imediato, violem direitos de crianças e adolescentes ou sejam tipificados como crime de racismo. O usuário poderá recorrer da decisão de remoção do conteúdo ou da conta.

Além disso, o texto considera de interesse público as contas em redes sociais do presidente da República, de governadores, prefeitos, ministros, parlamentares e outros agentes públicos. Os perfis não poderão restringir o acesso de outras contas às suas publicações.

De acordo com o projeto, órgãos da administração pública deverão divulgar dados sobre contratação de serviços de publicidade e impulsionamento de conteúdo na internet.

Tramitação

Aprovado no Senado, o texto foi encaminhado à Câmara dos Deputados em julho de 2020. No ano passado, graças à movimentação de deputados da base bolsonarista, a Casa rejeitou a urgência na tramitação do projeto de lei, atrasando a análise da medida em plenário.

Para que a matéria seja votada com agilidade, é necessária a apresentação de outro requerimento de urgência. Caso contrário, o texto deverá ser avaliado por uma comissão especial — que ainda não foi criada.

Parlamentares da oposição têm pressionado o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para descartar a possibilidade de pautar a matéria em urgência. Nomes das bancadas digital, evangélica e do agro defendem que, com a criação de uma comissao especial, o tema poderá ser discutido de forma mais “ampla e representativa”, ouvindo deputados eleitos nesta legislatura. Nas eleições de 2022, o PL conquistou a maior bancada na Câmara dos Deputados, com 99 nomes.

“A população pode e deve expor seus pensamentos na internet, e isso não é crime. Se o PL tivesse sido aprovado em 2013, não teria ocorrido o impeachment da Dilma, por exemplo. A população que se mobilizou contra o governo teria sido calada, e isso é ir contra a democracia”, argumenta o deputado Kim Kataguiri (União-SP).

Ao Metrópoles, o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), relator do PL, afirmou que deve ouvir membros do governo sobre o tema nos próximos dias.

“Temos conversado com especialistas, com a sociedade civil e com a indústria. Nos próximos dias devemos consultar outra vez os líderes da Câmara, conversar com as bancadas, firmar uma posição básica da Câmara e pactuar com o texto do Senado”, disse.

Apesar da pressão das bancadas de oposição, o relator acredita que o tema não deve enfrentar dificuldades para ser pautado por Lira, especialmente após os atos antidemocráticos de 8 de janeiro, mobilizados por grupos golpistas pelas redes sociais.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?