Laudo aponta 13 tiros em assassinato de petista no Paraná

O documento da Polícia Científica do Paraná descarta que tesoureiro do PT atirou pedras em agente penal

atualizado 25/07/2022 22:00

O laudo da Polícia Científica do Paraná apontou que ao menos 13 tiros foram disparados no momento em que o tesoureiro do PT Marcelo Arruda foi assassinado pelo policial penal Jorge Guaranho. No entanto, o documento descartou que o petista teria atingido o carro do bolsonarista com pedras, como consta no depoimento à polícia da mulher do agente penal.

De acordo com o laudo, a polícia encontrou na Associação Recreativa e Esportiva Saúde Física (Aresf), local da festa, 13 estojos de arma ponto 380, além de um estojo de arma calibre ponto 40. Contudo, os peritos não conseguiram identificar quais cartuchos foram utilizados pelo policial penal e quais teriam sido disparados pelo guarda municipal.

O documento cita que foram achadas “sujidades” no banco dianteiro esquerdo e direito; no assoalho; na coluna de direção; no painel; no difusor de ar lateral esquerdo; console da porta dianteira direita; e na região esquerda do banco traseiro.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
0

Em depoimento à polícia, a esposa de Guaranho afirmou que o seu marido havia sido atingido por pedras quando estava saindo do local para deixá-la em casa.

Relembre o caso

O guarda municipal Marcelo Arruda foi assassinado a tiros durante sua festa de aniversário de 50 anos, ocorrida no início do mês, em Foz do Iguaçu (PR). O evento tinha como tema o PT e fazia várias referências ao ex-presidente e pré-candidato Luiz Inácio Lula da Silva.

De acordo com as testemunhas, por volta das 23h, Jorge Guaranho, que se declara apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL), invadiu a festa e atirou em Marcelo, que revidou. A confraternização era promovida na Aresfi. No local, havia cerca de 40 pessoas.

Relatos ainda apontam que o policial penal entrou na festa gritando o nome de Bolsonaro e “mito”. Houve uma rápida discussão, e o homem chegou a sacar a arma e ameaçou a todos. Logo depois, ele saiu, dizendo que voltaria para matar todo mundo”. Minutos depois, o agente penitenciário chegou atirando no guarda municipal.

Na última semana, a Justiça aceitou a denúncia do Ministério Público (MP) e tornou réu por homicídio qualificado o policial penal federal Guaranho, acusado de matar a tiros o guarda municipal Marcelo Arruda.

Mais lidas
Últimas notícias