metropoles.com

Guedes: “Se estados tiverem prejuízo, novo teto do ICMS será revisto”

Em junho, limitou-se o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços sobre combustíveis, energia elétrica, comunicações e transportes

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/Metrópoles
O ministro da Economia, Paulo Guedes, gesticula durante fala frente a microfone - Metrópoles
1 de 1 O ministro da Economia, Paulo Guedes, gesticula durante fala frente a microfone - Metrópoles - Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que, se os estados tiverem prejuízo, o novo teto do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) poderá ser revisado.

O ministro defendeu que o país deve implementar uma reforma tributária, em vez de instituir impostos que “desindustrializam o Brasil”, segundo ele.

As declarações foram dadas durante reunião organizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, na terça-feira (16/8).

Em junho, houve a redução da incidência do ICMS sobre combustíveis, energia elétrica, comunicações e transportes, em um patamar de 18%. A medida visou diminuir a inflação – e, consequentemente, os preços. O Comitê Nacional de Secretários de Fazenda (Comsefaz) afirma que a iniciativa vai ocasionar aos estados perda anual de R$ 92 bilhões.

“Se os números mostrarem que houve aumento de arrecadação forte, apesar da redução das alíquotas, então segue o jogo. Se, ao contrário, mostrar que houve prejuízo à Federação, eu mesmo vou ficar envergonhado, vou querer rever”, garantiu.

Durante o discurso, o ministro disse que as unidades da Federação continuam com o caixa cheio.

O ministro foi enfático ao destacar que a redução está sendo compensada pela falta de correção da tabela do Imposto de Renda. “A arrecadação de Imposto de Renda está subindo bastante, o que acaba equilibrando a balança”, salientou.

0

“Momento extraordinário”

O ministro ainda afirmou que o Brasil está em um momento “extraordinário” perante o exterior, bem posicionado diante das oportunidades abertas pelo realinhamento das cadeias de produções globais.

“A democracia brasileira está como sempre esteve: vibrante e barulhenta”, disse.

Em outro momento, Guedes afirmou que não há confronto entre União e governos regionais. Segundo o chefe da Economia, a gestão federal apenas repassa o ganho de arrecadação para a população – o que possibilita reduzir, além do ICMS, outros tributos, como o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). “Estamos com um fiscal muito forte, nunca foi tão forte.”

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações