metropoles.com

Campos Neto diz que ansiedade do mercado é sobre a conta da pandemia

De acordo com Campos Neto, presidente do Banco Central, o atual cenário requer coordenação entre políticas fiscal e monetária

atualizado

Compartilhar notícia

Campos Neto BC reprodução / Metrópoles
Campo Neto na Bloomberg com microfone / Metrópoles
1 de 1 Campo Neto na Bloomberg com microfone / Metrópoles - Foto: Campos Neto BC reprodução / Metrópoles

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (BC), questionado sobre as incertezas fiscais, afirmou que a ansiedade do mercado é em relação ao aumento de gastos global durante a pandemia.

“O mercado tem dado sinais de ansiedade para encontrar respostas sobre como vamos pagar a conta que cresceu durante a pandemia globalmente. Estamos na situação de como vamos converter a dívida no longo prazo”, disse nesta sexta-feira (18/11) durante o evento Leaders Circle da Bloomberg, em São Paulo.

De acordo com ele, o BC não faz política fiscal, mas reforça que deve haver coordenação entre políticas fiscal e monetária.  “É díficil falar só em números quando temos questões humanitárias urgentes”, declarou.

Além dos gastos da pandemia, o novo governo quer aprovar a proposta de emenda à Constituição (PEC) da Transição que deverá abrir um novo “buraco” no teto de gastos no valor de R$ 175 bilhões anuais para o pagamento de benefícios sociais. O texto, já nas mãos do parlamento, não diz de onde virá o dinheiro.

O BC projeta que a PEC que o déficit primário do governo central em 2023 deve ir de 0,8% para cerca de 1,5% do produto interno bruto (PIB). Além disso, a dívida pública entre 2022 e 2023 irá de 77,7% para 81,9% do PIB – ou mais ainda.

“Quando olhamos a reação do Reino Unido, isso mostra que o mercado agora está pedindo soluções para a convergência da dívida e tentando entender como cuidamos do social com responsabilidade fiscal ao mesmo tempo”, disse.

Campos Neto fala de inflação

Em 11 de novembro, Campos Neto demonstrou a necessidade do equilíbrio entre o social e o fiscal. “A gente precisa ter, de um lado, olho para social, a gente entende que a pandemia deixou muitas cicatrizes, mas precisa ter também um olho para o equilíbrio fiscal”, afirmou em um evento da CFA Society Brazil, em São Paulo.

“Não é verdade que o Brasil gastou mais para baixar a inflação artificialmente. O Brasil mostra cenário melhor que o resto do mundo e foi rápido em subir juros”, declarou. “Agora a precificação é de alta no curto prazo em função de incertezas fiscais. De acordo com as expectativas do mercado, ainda há trabalho a ser feito no curto prazo”, completou.

9 imagens
Em outras palavras, se há  aumento da inflação, o dinheiro passa a valer menos. A principal consequência é a perda do poder de compra ao longo do tempo, com o aumento dos preços das mercadorias e a desvalorização da moeda
Existem várias formas de medir a inflação, contudo, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é o mais comum deles
No Brasil, quem realiza a previsão da inflação e comunica a situação dela é o Banco Central. No entanto, para garantir a idoneidade das informações, a pesquisa dos preços de produtos, serviços e o cálculo é realizado pelo IBGE, que faz monitoramento nas principais regiões brasileiras
De uma forma geral, a inflação pode apresentar causas de curto a longo prazo, uma vez que tem variações cíclicas e que também pode ser determinada por consequências externas
No entanto, o que influencia diretamente a inflação é: o aumento da demanda; aumento ou pressão nos custos de produção (oferta e demanda); inércia inflacionária e expectativas de inflação; e aumento de emissão de moeda
1 de 9

Inflação é o termo da economia utilizado para indicar o aumento generalizado ou contínuo dos preços de produtos ou serviços. Com isso, a inflação representa o aumento do custo de vida e a consequente redução no poder de compra da moeda de um país

KTSDESIGN/SCIENCE PHOTO LIBRARY / Getty Images
2 de 9

Em outras palavras, se há aumento da inflação, o dinheiro passa a valer menos. A principal consequência é a perda do poder de compra ao longo do tempo, com o aumento dos preços das mercadorias e a desvalorização da moeda

Olga Shumytskaya/ Getty Images
3 de 9

Existem várias formas de medir a inflação, contudo, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é o mais comum deles

Javier Ghersi/ Getty Images
4 de 9

No Brasil, quem realiza a previsão da inflação e comunica a situação dela é o Banco Central. No entanto, para garantir a idoneidade das informações, a pesquisa dos preços de produtos, serviços e o cálculo é realizado pelo IBGE, que faz monitoramento nas principais regiões brasileiras

boonchai wedmakawand/ Getty Images
5 de 9

De uma forma geral, a inflação pode apresentar causas de curto a longo prazo, uma vez que tem variações cíclicas e que também pode ser determinada por consequências externas

Eoneren/ Getty Images
6 de 9

No entanto, o que influencia diretamente a inflação é: o aumento da demanda; aumento ou pressão nos custos de produção (oferta e demanda); inércia inflacionária e expectativas de inflação; e aumento de emissão de moeda

selimaksan/ Getty Images
7 de 9

No bolso do consumidor, a inflação é sentida de formas diferentes, já que ela não costuma agir de maneira uniforme e alguns serviços aumentam bem mais do que outros

Adam Gault/ Getty Images
8 de 9

Isso pode ser explicado pela forma de consumo dos brasileiros. Famílias que possuem uma renda menor são afetadas, principalmente, por aumento no preço de transporte e alimento. Por outro lado, alterações nas áreas de educação e vestuário são mais sentidas por famílias mais ricas

Javier Zayas Photography/ Getty Images
9 de 9

Ao contrário do que parece, a inflação não é de todo mal. Quando controlada, é sinal de que a economia está bem e crescendo da forma esperada. No Brasil, por exemplo, temos uma meta anual de inflação para garantir que os preços fiquem controlados. O que não pode deixar, na verdade, é chegar na hiperinflação - quando o controle de todos os preços é perdido

coldsnowstormv/ Getty Images

“Ainda não há razão para celebrar a melhora da inflação. Vemos bons sinais nos núcleos, mas temos que persistir”, reiterou. Os juros básicos do país estão travados em 13,75% ao ano.

“O Comitê [Copom] seguirá atento, avaliando se a estratégia de manutenção da taxa Selic por um período suficientemente longo será suficiente para garantir a convergência da inflação”, diz a apresentação de Campos Neto.

O Comitê reforça que os passos futuros da política monetária podem ser ajustados e não hesitará em retomar o ciclo de aperto caso o processo desinflacionário não ocorra conforme o esperado”, completou a apresentação.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?