Blog com notícias, comentários, charges e enquetes sobre o que acontece na política brasileira. Por Ricardo Noblat e equipe

18 anos Blog do Noblat

“O presidente tem que confiar em mim, não na imprensa”, diz Jacaré

Ao Blog do Noblat, Waldir Ferraz diz que ainda não falou com Bolsonaro desde a matéria da Veja. "Você é capaz de trair seu patrão?"

atualizado 21/01/2022 19:07

Waldir Ferraz, o Jacaré, deixa o STF após a posse de André Mendonça, em dezembro de 2021 Evandro Éboli / Metrópoles

No centro do noticiário político depois de confirmar à Veja a existência de esquema de rachadinha nos gabinetes dos Bolsonaros, Waldir Ferraz, o Jacaré, conversou com o Blog do Noblat e, conforme postou nas redes sociais após a repercussão da reportagem da revista, reafirmou que relatou apenas o que conhece e ficou sabendo pelo noticiário em relação ao esquema.

Jacaré contou que não conversou com o presidente desde a publicação da matéria, que não tem ideia como ficará a relação com ele e que jamais faria algo para prejudicar Bolsonaro.

“Você é capaz de trair seu patrão? Conhece alguém que faz isso? Se conhecer, me dá um exemplo. Deram um tiro no pé. Usaram de má-fé comigo. Me chamaram para falar de um assunto e falaram de outro. Por isso, o Bolsonaro é chateado com a imprensa”, disse Waldir Ferraz ao Blog do Noblat.

A revista Veja publicou, nesta sexta, os áudios da conversa com o assessor.

Amigo de Bolsonaro há mais de 30 anos, Jacaré afirmou que não falou com o presidente ainda, que ele, Bolsonaro, deve confiar na sua palavra e que não acredita em quebra de confiança.

“Não conversei nada com ele. Não posso avaliar [se houve quebra de confiança de Bolsonaro]. Só o tempo dirá. O presidente tem que confiar em mim, não na imprensa. Já fui vítima disso daí.”

O amigo de Bolsonaro reafirmou que seu conhecimento sobre esquema de rachadinha dos Bolsonaro é por meio do que sai nos jornais, na imprensa.

“Já falei que tudo que sei dessas histórias de rachadinha é através da imprensa. Nem ia no gabinete do Flávio, no Rio. Sou um cara independente, não tinha ligação com ninguém. Minha relação é pessoal com o Bolsonaro. Vou te dizer mais. Lá no Rio, ia para a casa do Bolsonaro, saia de lá, às vezes o deixava no gabinete do Flávio e saía. Deixava ele lá e ia para a rua fazer compras, até para o camelódromo. Não sentia bem em estar lá”, afirmou Jacaré.

O assessor comentou o ataque que sofreu de Fabrício Queiroz – que, nas suas redes, atacou Waldir Ferraz após a publicação da reportagem na revista. Queiroz, suspeito de ser peça-chave no esquema de rachadinha no gabinete de Flávio Bolsonaro, chamou Jacaré de “traste”. Ele reagiu:

“Vi que tá metendo o pau em mim, querendo me provocar. Não tenho intimidade com ele. Não frequentei o gabinete do Flávio. Só, como disse, quando Bolsonaro ia ao Rio. Não tenho ligação próxima, de tomar cerveja. Aconteceu uma coisa no passado, entre mim e ele [Queiroz]. Me disse que ficou jogado, que ninguém falava nada, que o governo estava cheio de cargo e ninguém fez nada. E isso vazou e não fui eu quem publiquei. Vou colocar conversa minha em imprensa?!”.

O assessor diz que está mantida sua disposição em disputar uma vaga para a Câmara dos Deputados, pelo PTB. Sobre ter ou não o apoio dos Bolsonaros, ele respondeu:

“Sou candidato, tenho trabalho para isso. Se quiserem me apoiar, que me apoiem.”

Últimas do Blog